X

SEIS MESES FUNCIONANDO

Polícia pede prisão de dono de clínica clandestina na Grande SP; pacientes alegam tortura

A polícia diz que 61 pessoas estavam internadas no local que seria destinado à reabilitação com comida racionada, somente um minuto de banho e água suja

Da Reportagem

Publicado em 07/02/2023 às 13:10

Atualizado em 07/02/2023 às 13:58

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Clínica clandestina de reabilitação em Itapevi, na Grande SP / Reprodução/TV Globo

Uma clínica de reabilitação clandestina foi fechada no último domingo (5), em Itapevi, na Grande São Paulo, e duas pessoas tiveram as prisões temporárias pedidas pela Polícia Civil à Justiça. Cerca de oito testemunhas foram ouvidas.

A polícia diz que 61 pessoas estavam internadas no local que seria destinado à reabilitação com comida racionada, somente um minuto de banho e água suja.

O estabelecimento funcionava irregularmente desde seis meses atrás no bairro Vila Boa Esperança. No fim de semana, a polícia foi chamada pelos próprios familiares das vítimas durante uma visita.

Os pacientes contaram à polícia que eram maltratados pelos funcionários e, se não obedecessem às regras, eram torturados. Segundo os relatos, eles disseram que não podiam relatar nada à família, ou apanhavam.

Segundo o SP2, da TV Globo, Pedro Henrique Malaquias Jacinto, de 28 anos, que se apresentou como dono da clínica, e Eduardo Henrique Alves, de 35, que se diz terapeuta, foram ouvidos na delegacia, mas liberados ainda no domingo (5).

“Uma madrasta de um dos jovens chegou no local e constatou que as condições eram péssimas, que a água que eles estavam bebendo era água suja e de pronto pediu para falar com o responsável. Um interno se apresentou dizendo que era o responsável pelo local. Na sequência, ela começou a discutir com ele reclamando das condições, e chamou a PM”, contou Adair Marques Correa Junior, delegado de polícia plantonista de Itapevi.

Uma mulher que tinha um parente internado na clínica e preferiu não se identificar, explicou que pagava R$ 1.200 por mês pela reabilitação. E disse que levou um susto com as condições do local quando foi fazer a primeira visita.

“Quando nós entramos, a mãe do meu enteado já estava lá, de manta, já tinha tomado café com ele. Ele relatou pra ela que queria ir embora. Ela perguntou por qual motivo, e ele falou que lá era um inferno. E ele estava falando baixo porque ficou com medo de as pessoas que trabalham lá escutarem e depois passarem essa informação para frente. Porque todas as pessoas que reclamavam, quando o familiar ia embora, eles batiam nessas pessoas”, conta.

O caso está sob investigação e aguarda a decisão da Justiça.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Apagão 2024

Mancha solar reaparece e pode causar apagão

A tempestade desse mês foi marcada por auroras boreais e austrais em vários lugares do mundo

TRÂNSITO NA saída DA CAPITAL

Saída de SP têm trânsito intenso na véspera do feriado

Nas ruas da Capital, a Marginal Tietê é a via que apresenta situação mais complicada. Régis, Raposo e Castelo Branco apresentam complicações

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter