Publicidade

X

DIVERGÊNCIAS

População se divide entre apoio e críticas aos motivos da greve em SP

Alguns diziam ser legítimo reclamar, outros não viam propósito no movimento

BRUNO LUCCA E LUCAS LACERDA - FOLHAPRESS

Publicado em 28/11/2023 às 10:20

Atualizado em 28/11/2023 às 10:22

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Estação da CPTM / Sergio Andrade/Divulgação

Enquanto tentavam chegar ao trabalho nesta terça-feira (28), passageiros divergiam sobre a paralisação de funcionários do metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) contra os planos de privatização do governo de São Paulo. Uns diziam ser legítimo reclamar, outros não viam propósito no movimento.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.


A greve não afeta as linhas privatizadas do metrô (4-amarela e 5-lilás) e de trens (8-diamante e 9-esmeralda). No início da manhã, as linhas 1-azul, 2.verde e 3-vermelha operavam parcialmente, e a linha 15-prata estava parada. Na CPTM a operação também era parcial.

Vanderleia Pereira, 51, trabalha em um cartório na praça da Sé, no centro. Normalmente usa o metrô, mas aguardava na estação Itaquera (zona leste) a chegada de um amigo para irem de trem até a Luz, na região central. Dali, usaria a linha 4-amarela do metrô, privada.

"Acho que privatizar não é a solução", disse, em referência às pautas da greve. "A gente teve essa experiência com o apagão da Enel. Fiquei 24 horas sem luz, mas teve gente que sofreu muito mais. Eles reduziram as equipes, não tinha gente para atender", afirmou.

Para Vanderleia, o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) parece empenhado na decisão de conceder serviços à iniciativa privada. "Tanto a Sabesp quanto o metrô e a CPTM", disse.

Já para Tiago Silva, 31, o debate vai além de privatizar ou não os serviços de transporte. Ele conta que mora em Guaianases (zona leste) e trabalha em um call center na Barra Funda (zona oeste).

"Não é só transporte. Você tem a [população da] zona leste que atravessa a cidade para trabalhar porque não tem uma estrutura de emprego", afirmou. "Se não tem uma opção de trampo a 30 minutos de casa, a pessoa enfrenta duas horas de locomoção."

No fim da madrugada, o auxiliar de logística José Roberto Santos, 36, esperava a abertura da estação de trem. Ele trabalha em Osasco. "Não tenho como chegar e o patrão não quer saber de nada."

Interpelado por participantes da greve que distribuíam panfletos na estação, ele respondeu que era melhor privatizar tudo e pagar mais caro para "não ter palhaçada".

Poucos minutos depois, às 4h30, as escadas foram liberadas com o início da operação na linha 11-coral, e Santos embarcou para tentar chegar ao trabalho. Os trens circulam entre as estações Guaianases e Luz.

O pedreiro Genivaldo Ribeiro, 52, estava na dúvida sobre como chegar a Osasco. Normalmente, vai de trem até o Brás para chegar à Barra Funda e, de lá, ir até Osasco, para chegar às 5h40 no trabalho.

"Eu estava sabendo da greve, mas a gente precisa vir para mostrar ao patrão que tentou", disse. Após avaliar que não seria possível chegar no horário, Genivaldo desistiu.

"O problema é que privatizar não vira benfeitoria para nós", afirmou, sobre a motivação dos protestos. "Era melhor não mexer, deixar como está."

Na estação Jabaquara da linha 1-azul do metrô, com suas entradas bloqueadas por seguranças do Metrô e manifestantes dos sindicatos, poucos desavisados sobre a greve chegavam. Reginete de Lima, 48, era uma. Ela ia ao médico, em Santo Amaro, zona sul. Ao saber da greve, a qual achou absurda, cancelou o compromisso. "Que palhaçada. Só sabem atrasar a vida dos outros."

Pouco depois chegou Graziela Souza, 23. Atendente em uma loja no shopping Center 3, na avenida Paulista, ela sabia da paralisação e marcou de encontrar colegas em frente à estação para dividirem o valor de um carro por aplicativo. Mesmo com o prejuízo, a jovem afirma apoiar a greve.

"Vejo problemas na linha 9-esmeralda [administrada pela concessionária ViaMobilidade] todos os dias, não quero isso para todas as linhas", diz. "O governador só escuta quem nunca pisou num transporte público."

O primeiro colega de Graziela a chegar na estação foi Carlos Augusto, 27. Transpirando, ele relatou ter enfrentado um ônibus lotado para chegar ali. "O dia já começou ótimo, né? Imagine o restante dele", disse com ironia.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

AMARELINHA

Dorival chama são-paulinos e palmeirenses na primeira convocação

Dorival Jr. fez a sua primeira convocação para a seleção brasileira nesta sexta; veja lista

NÃO PERCA A OPORTUNIDADE

Prefeitura de SP abre processo seletivo para 6 mil vagas; veja mais

As vagas são para estudantes de ensino médio e superior de diferentes áreas

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter