Publicidade

X
CENTRO DE SP

Projeto prevê transformar praça da cracolândia em parque para cercar o local com grades

Segundo o autor da proposta, vereador Fábio Riva (PSDB), a ideia visa o 'disciplinamento de seu uso'

Publicidade

Vista aérea da Cracolândia, na região central de SP / Danilo Verpa/Folhapress

Local de tráfico de drogas na cracolândia, a praça Princesa Isabel deverá se transformar em um parque, conforme prevê um projeto de lei do vereador Fábio Riva (PSDB) protocolado nesta segunda-feira (9) na Câmara Municipal de São Paulo.


Com a mudança, o local de 16,6 mil metros quadrados poderá ser cercado por grades, como os outros parques da cidade, o que está em linha com o que diz a justifica do projeto, que prevê o "disciplinamento de seu uso".


No título, a proposta "transforma a praça Princesa Isabel em parque municipal, e dá outras providências". Na justificativa, Riva, que é líder do governo na Câmara, diz que a transformação da praça Princesa Isabel em parque tem como finalidades "preservar a flora" e "conferir conforto aos frequentadores".


Ou, então, se pretende copiar o modelo adotado na praça do Pôr do Sol, no Alto de Pinheiros (zona oeste), onde no ano passado um grupo de moradores e urbanistas protestaram contra a instalação de cercas e a restrição de horário, limitando o acesso da população a um lugar público.


Riva anexou à proposta um abaixo-assinado, intitulado como Revitalização da Praça Princesa Isabel, com 983 assinaturas no total. Entre elas, moradores dos bairros Bom Retiro e Santa Cecília. A área é delimitada pelas avenidas Duque de Caxias e Rio Branco e as ruas Helvétia e Guaianazes. As despesas com a execução das obras deverão ser pagas pela prefeitura.


A reportagem solicitou à assessoria do parlamentar uma entrevista na manhã desta terça, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.


Na justificativa da proposta, o vereador ressaltou que, após uma reforma, em 2018, a praça passou a contar com quadra poliesportiva com alambrado, equipamentos de ginástica, mesas de jogos de tabuleiro e de piquenique.


Também foi instalado um playground, espaço pet e locais para feiras de artesanato e food trucks. Foram instalados sanitários públicos (feminino, masculino e acessível) e construídos bancos de concreto, pista de corrida e um lugar para apresentações artísticas, além de novas lixeiras e bebedouros, segundo Riva.


"Em 4 de outubro de 2019, seis meses após o fim do acordo com a empresa que revitalizou a Praça Princesa Isabel, a praça já estava degradada devido a vandalismos", escreveu o tucano.


Desde março deste ano, o local concentra usuários de drogas que antes frequentavam o entorno da praça Júlio Prestes, a poucos metros dali. O fluxo ocorreu após ordens do crime organizado para que a multidão saísse das ruas que antes formavam a cracolândia, de acordo com a polícia.


A Folha de S.Paulo mostrou, em abril, que a Prefeitura de São Paulo instalou grades para dividir a praça Princesa Isabel, separando assim usuários de drogas e moradores de rua das equipes que trabalham no projeto de revitalização do local.


Em nota, a prefeitura disse, na ocasião, que a instalação dos gradis visava garantir a segurança de dependentes químicos que permanecem no local durante a execução de serviços de zeladoria, poda de árvores e jardinagem. A copa de árvores é utilizada como aliada pelos traficantes e usuários, dificultando o monitoramento da praça Princesa Isabel através de câmeras e drones.


O miolo da praça foi tomado por lonas pretas e mesas que servem de apoio para comercialização e consumo de drogas.
Antes mesmo dessa invasão pelos usuários, o fluxo no local havia sido intensificado por moradores em situação de rua ao longo da pandemia de Covid-19.


A revitalização da praça é um desejo antigo do prefeito Ricardo Nunes (MDB). Em fevereiro, o prefeito havia escalado a Subprefeitura da Sé para intensificar o que chama de serviços de zeladoria na praça. Um dos cartões postais de São Paulo, a praça viu a situação degringolar com a chegada da cracolândia.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Inclusão

TRF suspende liminar que obrigava IBGE a incluir orientação sexual no Censo

Instituto argumenta que não teria tempo hábil nem orçamento suficiente para fazer o acréscimo das perguntas de forma adequada no levantamento

CPI do MEC

Suspeita de interferência de Bolsonaro aumenta pressão por CPI do MEC

A oposição no Senado ainda tenta engrossar com ao menos mais dois nomes o requerimento para criação de uma CPI do MEC

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software