Publicidade

X
SAÚDE PÚBLICA

SP confirma mais dois casos de varíola dos macacos e chega a sete

Todos os casos são importados, com histórico de viagem para a Europa, informou a Secretaria da Saúde

Publicidade

Primeiro caso do Brasil, homem com varíola dos macacos já está curado / Reprodução/Pixabay

A Secretaria de Saúde de São Paulo confirmou nesta quarta-feira (22) mais dois casos positivos de varíola dos macacos no estado, totalizando sete. São três na capital, dois em Indaiatuba, um em Santo André e outro em Vinhedo.

"Todos os casos são importados, com histórico de viagem para a Europa. Os pacientes estão com boa evolução do quadro, em isolamento residencial e são acompanhados pelas vigilâncias epidemiológicas dos seus respectivos municípios, com o apoio do Estado", disse a secretaria, em nota.

Leia Também

• Primeiro paciente com varíola dos macacos do Brasil deixa hospital

Com mais esses dois em São Paulo, os casos confirmados no país já são 11, com os dois no Rio de Janeiro e dois no Rio Grande do Sul. Os números foram confirmados pelo Ministério da Saúde.

Outros dez casos estão sendo investigados, segundo o Ministério da Saúde: dois no Ceará, quatro no Rio de Janeiro, um em Santa Catarina, um no Acre e dois no Rio Grande do Sul.

O primeiro caso de varíola dos macacos foi registrado no Brasil em 8 de junho, em São Paulo, em um homem de 41 anos que viajou para Espanha e Portugal.

Na segunda-feira (20), o estado do Rio de Janeiro confirmou o diagnóstico em um paciente de 25 anos que mora em Maricá. Ele informou que não viajou para outros países, mas teve contato com estrangeiros.

A varíola dos macacos é transmitida por meio de contato próximo. A infecção pode ser por vias respiratórias, mas é preciso contato face a face perto por tempo prolongado.

Outra forma de infecção é por meio das feridas, parecidas com bolhas, que a varíola dos macacos causa na pele. As feridas são um dos sintomas da doença, que incluem também febre e dores no corpo.

Especialistas dizem que as chances de a varíola dos macacos se tornar uma pandemia são pequenas pela baixa capacidade de transmissão do vírus. No entanto, afirmam ser importante se manter vigilante, com métodos de rastreamento e diagnóstico eficazes.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Inclusão

TRF suspende liminar que obrigava IBGE a incluir orientação sexual no Censo

Instituto argumenta que não teria tempo hábil nem orçamento suficiente para fazer o acréscimo das perguntas de forma adequada no levantamento

CPI do MEC

Suspeita de interferência de Bolsonaro aumenta pressão por CPI do MEC

A oposição no Senado ainda tenta engrossar com ao menos mais dois nomes o requerimento para criação de uma CPI do MEC

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software