X

RUA AUGUSTA

Suplicy tenta reverter fechamento anunciado do Espaço Itaú de Cinema

Cinema de rua foi vendido para uma incorporadora, que quer construir um prédio no lugar; última sessão está marcada para 16 de fevereiro

Bruno Hoffmann

Publicado em 10/02/2023 às 11:51

Atualizado em 10/02/2023 às 11:59

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O Anexo do Espaço Itaú de Cinema, na rua Augusta / Reprodução/Google Street View

O vereador e deputado estadual eleito Eduardo Suplicy (PT) enviou nesta quinta-feira (9) uma carta a entidades de preservação do patrimônio histórico para tentar reverter o iminente fechamento do Espaço Itaú de Cinema  - Anexo, na rua Augusta, na região central de São Paulo.

A última exibição do cinema de rua está marcada para a próxima quinta (16).  O espaço foi vendido para uma incorporadora, que pretende construir um prédio comercial no lugar.

Leia Também

• Espaço Itaú de Cinema chega ao fim na rua Augusta na próxima quinta

Na missiva enviada para o Departamento de Patrimônio Histórico (DPH) e para o Conpresp (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo), Suplicy destaca a relevância do espaço de cinema e do Café Fellini, que faz parte do local.

"O Cine Café Fellini é bastante frequentado e querido pelos cinéfilos paulistanos, e está situado em um casarão da década de 1950 e foi aberto na década de 1990", diz ele.

Ele também destaca que o Anexo era parte integrante do Instituto Goethe nas décadas de 1960 e 1970, com exibições de filmes alemães, e depois se tornou uma casa para exibição de títulos brasileiros sem espaço em salas comercial.

Por fim, o petista solicita "urgentemente aos órgãos competentes a análise da situação e a proteção deste bem tão importante à memória da cidade".

Entenda

Na próxima quinta (16), o Espaço Itaú de Cinema  - Anexo vai realizar a sua última exibição. O espaço foi vendido para uma incorporadora, que pretende construir um prédio comercial no lugar.

A sede da rede de cinemas, do outro lado da rua Augusta e que abriga salas maiores, será mantida.

O filme derradeiro será “A Última Floresta”, do diretor Luiz Bolognesi. A sessão será gratuita.

O imóvel da rua Augusta, número 1.470, foi vendido para a incorporadora Vila 11 e deve ser demolido para abrigar um prédio comercial.

Depois das sessões da próxima quinta-feira, começa a desmontagem, com retirada de telas, cadeiras, projetores, elevador, aparelhos de ar-condicionado.

Também o Café Fellini, instalado próximo da bilheteria, terá de ser desmontado e funcionará só até domingo (19).

Para Carlos Augusto Calil, presidente do Conselho de Administração da Sociedade Amigos da Cinemateca, o fechamento do espaço terá um impacto muito negativo "no já escasso território da exibição de cinema de rua. São pouquíssimos os remanescentes dessa atividade, em que se destaca o Espaço Itaú de Cinema - Augusta".

Há, inclusive, de outras personalidades e entidades, o pedido de tombamento das salas de cinema.

Segundo uma fonte à coluna, porém, o Conpresp “está apenas ignorando o pedido de tombamento”.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

LITORAL FLUMINENSE

Surfista de Guarujá conquista etapa nacional em Saquarema

O atleta entrou no torneio durante o tratamento de uma torção de joelho, e mesmo assim garantiu a primeira colocação

loterias

Mega-Sena acumula em R$ 80 milhões; Especialista dá dicas para ganhar

O especialista separou algumas dezenas com mais chances de sair no próximo sorteio; veja

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter