Publicidade

X

Estado

TCE erra e atribui a vereadores do Litoral custo de R$ 4,1 mi

Plataforma do Tribunal de Contas do estado, informou que Câmara de Praia Grande tem 8 vereadores, quando, na verdade conta com 19

Bruno Hoffmann

Publicado em 10/05/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O erro da Corte de Contas inflou o gasto com cada político de Praia Grande, no litoral sul de São Paulo / /Rodrigo Montaldi/Arquivo DL

Um levantamento Tribunal de Contas do Estado de São Paulo apontou de maneira equivocada que os vereadores da Praia Grande, no litoral Sul, são os mais caros de todos os municípios paulistas. Com população de 319 mil habitantes, a cidade tem 19 vereadores em sua Câmara. Um mapeamento do TCE, divulgado nesta quarta (8), aponta que a Casa tem 8 vereadores, que custam, em média, R$ 4,1 milhões. No entanto, o número correto é 19 vereadores. O erro da Corte de Contas inflou o gasto com cada político de Praia Grande.

Nesta quinta, após reconhecer o erro, o Tribunal de Contas tirou do ar sua plataforma. O erro do TCE provocou forte indignação na Câmara de Praia Grande.

Os dados estão disponíveis no "Mapa das Câmaras", plataforma virtual divulgada pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, que pode ser vista pelo link www.tce.sp.gov.br/camarasmunicipais. O estudo abrange os custos de funcionamento, a quantidade de funcionários e vereadores, em cada uma das 644 Câmaras Municipais.

Ao contrário do dado divulgado pela Corte de Contas, que apontava R$ 4,1 milhões em gastos para cada parlamentar no ano de 2018, a Casa afirma que gastou R$ 1,7 milhão por parlamentar neste período. Com uma recente redução em um terço dos cargos comissionados, segundo a Câmara, o gasto diminuiu para R$ 1,3 milhão.

A Câmara Municipal da Praia Grande reiterou que "possui 19 Vereadores, 33 servidores concursados e 47 servidores comissionados". A Casa ainda afirma que tem promovido economia de gastos.

O presidente do TCE, Antonio Roque Citadini, admitiu ter havido erro nas informações divulgadas. Ele atribuiu a falha a "um problema da informática". Citadini mandou sua assessoria ajustar os dados, inserindo as informações corretas.

A Corte se manifestou por meio de nota.
(EC)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Direitos Humanos

'Inconcebível', diz Alckmin sobre ataques contra civis em Gaza

Assim como Lula, vice-presidente fez apelo à comunidade internacional

Política

Lula se reúne com Maduro para tratar de eleições na Venezuela no segundo semestre

Palácio do Planalto informou que questão de Essequibo não foi tratada

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter