Publicidade

X

Estado

Tribunal cobra ações sobre barragens de SP

PREVENÇÃO. Tribunal de Contas do Estado (TCE) determinou que governo estadual encaminhe informações das barragens

ALINE

Publicado em 01/02/2019 às 16:43

Atualizado em 01/02/2019 às 19:25

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Entre as barragens que existem no estado de São Paulo está a que fica na cidade de Alumínio / Miguel Pessoa_Futura Press_Folhapress

Uma semana depois do estouro da barragem de Brumadinho (MG), que chocou o mundo, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo ligou o sinal de alerta e determinou à Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente que encaminhe informações sobre suas atividades de fiscalização - e um diagnóstico de todas as barragens paulistas, principalmente daquelas vinculadas a empresas
mineradoras.

Em despacho publicado na sexta-feira, dia 1º, no Diário Oficial do Estado, o conselheiro Dimas Ramalho, que relata as contas da secretaria no Exercício de 2018, concedeu prazo de 15 dias para que a pasta encaminhe dados sobre as atividades de licenciamento, fiscalização e monitoramento das barragens que são de competência estadual.

Dimas Ramalho pede detalhes sobre "ações preventivas a desastres" e um "relatório indicando a situação em que se encontram" as
barragens.

O conselheiro afirma que a medida busca avaliar as ações da pasta "no tocante à prevenção de danos ao meio ambiente, de danos materiais e à população".

Grupo de trabalho.

O governo de São Paulo criou um grupo de trabalho para atualizar e recomendar soluções para reduzir os riscos produzidos por barragens no estado de São Paulo. A resolução, publicada no Diário Oficial de terça-feira (29), estabelece que o grupo, coordenado pela Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado, deverá apresentar em 90 dias um relatório sobre as condições dos barramentos.

Representantes da Agência Nacional de Mineração (ANM), Agência Nacional de Águas (Ana) e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) serão convidados a integrar o grupo, que fará vistorias in loco nas barragens.

Doria citou como exemplo a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), que vai instalar equipamentos sonoros e usar aplicativos de celular para alertar a população do entorno de sua fábrica, em Alumínio, no interior, sobre eventuais riscos.

Brumadinho.

A tragédia de Brumadinho (MG) gerou uma onda de mobilização que está forçando prefeituras a apertar o cerco sobre a segurança de barragens em suas cidades.

Minas Gerais tem 698 barragens, a maioria de rejeitos de mineradoras, espalhadas por 109 municípios, de acordo com dados da Feam (Fundação Estadual do Meio
Ambiente).

Desse total, 22 não possuem garantia de estabilidade da Agência Nacional de Mineração, segundo dados de 2017, os mais atualizados. Segundo a ANA (Agência Nacional de Águas), que classificam o risco das barragens, há no País todo 45 barragens com risco de rompimento.
(EC e FP)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Direitos Humanos

'Inconcebível', diz Alckmin sobre ataques contra civis em Gaza

Assim como Lula, vice-presidente fez apelo à comunidade internacional

Política

Lula se reúne com Maduro para tratar de eleições na Venezuela no segundo semestre

Palácio do Planalto informou que questão de Essequibo não foi tratada

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter