X

Obras atrasadas

Tribunal de Contas de SP aponta que uma entre quatro das 762 obras paradas é da área de Educação

Números são referentes à nova atualização do Painel de Obras Atrasadas ou Paralisadas, com dados do terceiro trimestre de 2022

Da Reportagem

Publicado em 06/02/2023 às 12:20

Atualizado em 06/02/2023 às 12:35

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O setor de Educação responde por um quarto dos empreendimentos com problemas de cronograma / Divulgação/PMS

De acordo com levantamento realizado pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP), o território paulista possui 762 obras atrasadas ou paralisadas. Uma a cada quatro obras com problemas de cronograma – um total de 203 empreendimentos -, é referente ao setor da Educação.

Da totalidade das obras, 261 estão atrasadas e 501 se encontram em estado de paralisação. Somados, os valores iniciais dos contratos alcançam a cifra de quase R$ 20 bilhões. Os números são referentes à nova atualização do Painel de Obras Atrasadas ou Paralisadas, com dados do terceiro trimestre de 2022, disponível no link.

Educação

O setor de Educação responde por um quarto dos empreendimentos com problemas de cronograma. O TCE detectou a presença de 203 obras - 26,64% do total -, distribuídas em Universidades, Faculdades, Escolas e similares. Das 203 obras, 58 estão atrasadas, ao passo que 145 se encontram paralisadas. Os dados revelam que os valores contratuais somam R$ 535.963.204,41. 

No cenário do território paulista, cerca de 74,38% das obras de Educação são de responsabilidade municipal (151), enquanto o Governo do Estado arca com 52 empreendimentos (25,62%).

Custo x tempo

O balanço revela que o empreendimento mais caro na pasta está situado na capital paulista e é de âmbito estadual. Com um custo de R$ 123.578.454,33 (valor inicial de contrato), as obras de complementação do Conjunto dos Museus da USP estão paralisadas desde 2015, com sua conclusão prevista inicialmente para 2017. 

O Museu da História do Estado de São Paulo (restauração, reforma e construção de edificações) é outro empreendimento com problema na Capital. Paralisada, a obra estadual, que deveria ser entregue 11 anos atrás, já recebeu R$ 93.682.753,96.

Em Ribeirão Preto, o fornecimento e implantação do novo sistema de iluminação pública no Campus de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, está paralisada há quase 10 anos, com um custo inicial contratual de R$ 21.452.412,71.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Guardião e protetor

Exu é o diabo? Conheça essa entidade na umbanda

Exu é uma entidade muito presente nas religiões de matriz africana e a Gazeta te conta tudo sobre o guardião da umbanda; leia

O Santo Casamenteiro

Dia de Santo Antônio: conheça o padroeiro que prepara casamentos

Veja a história e os milagres de Santo Antônio, um dos santos mais queridos e venerados da Igreja Católica.

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter