X

Estado

Vendaval destrói bananais no Vale e preço da nanica sobe 13% em sete dias

Evento climático destruiu aproximadamente dois mil hectares, especialmente na cidade de Sete Barras

Nilson Regalado

Publicado em 20/02/2024 às 07:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Região sofreu com fenômeno chamado downburst / ABAVAR/Divulgação

O mercado já precificou os estragos causados pelas ventanias seguidas de tempestades que arrasaram bananais no Vale do Ribeira. Os temporais aconteceram na terça-feira de Carnaval e, principalmente, na Quarta-feira de Cinzas.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

O evento climático destruiu aproximadamente dois mil hectares, especialmente na cidade de Sete Barras. A estimativa é que pelo menos 500 hectares de bananeiras com cachos já formados tenham sido afetados, com a queda das bananeiras já na fase de pré-colheita. Isso significa uma área equivalente à de 500 campos de futebol.

E os preços dispararam no mercado atacadista. Segundo economistas da Ceagesp, a maior central atacadista de alimentos in natura da América do Sul, as cotações da nanica subiram 13%, na comparação com a semana anterior.

Devido ao impacto das ventanias, a tendência é que a oferta de banana paulista siga baixa nas próximas semanas. Assim, os atacadistas terão de buscar a fruta em outras praças, como Santa Catarina, Minas Gerais e Bahia.

A intempérie, seguida de alta nos preços, acabou beneficiando os grandes produtores, aqueles que conseguem estocar o produto em câmaras frias, e que tinham frutas de boa qualidade para vender.

A nanica de primeira qualidade foi vendida na média de R$ 3,90/kg no Vale do Ribeira na semana passada, entre os dias 12 e 16. As informações são do portal hfbrasil.org. br, vinculado ao Centro de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Cepea), da Escola de Agronomia da USP.

LARANJA MAIS CARA.

A oferta de laranja pera está cada vez mais restrita no Estado de São Paulo. Alguns Segundo apurado pelo Cepea, parte dos produtores já finalizou a safra, impulsionando as cotações. E o valor das variedades tardias segue em alta. A pera natal foi negociada por R$ 86,98 a caixa de 40,8 kg, na árvore, alta de 5,35% no comparativo com a semana anterior.

A natal foi ‘batizada’ assim por ter a sua maturação tardia, sendo sua colheita realizada no final do ano, principalmente em dezembro. Ela é uma seleção feita a partir da laranja valência e suas características são frutos com poucas sementes e polpa com muito suco, o que é favorável para a produção industrial.

Por ser bem doce, ela é muito consumida in natura, atendendo o mercado interno. Tem aparência esférica, tamanho médio, polpa alaranjada, textura firme, casca de espessura média e cor amarela.

LIMÃO AZEDO.
Quanto ao limão tahiti, produtores consultados pelo Cepea indicam que as chuvas têm restringindo a colheita, resultando em oferta controlada no mercado doméstico e em preços em elevação. A variedade foi comercializada a

R$ 18,43 a caixa de 27 kg, com valorização de 13,18% frente à semana anterior. Neste caso, a alta tende a ser pontual porque ainda há limão a ser colhido na região de Itajobi, Araraquara e São Carlos.

MAÇÃ CHEGANDO.

A colheita e o processo de classificação de maçã gala da safra 2023/24 está avançando nas regiões produtoras de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Com isso, as cotações da variedade caíram na semana passada. A gala de melhor qualidade foi vendida por R$ 110,87 a caixa de 18 kg na média das regiões classificadoras, leve queda de 5% frente à semana anterior.

Segundo agentes consultados pelo Cepea, produtores e classificadores aguardaram o fim do Carnaval para iniciar a circulação da fruta no mercado. As frutas estão com o calibre médio-graúdo e a qualidade sensorial está satisfatória.

Para as próximas semanas, espera-se que o volume de gala aumente ainda mais, podendo pressionar as cotações. 

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Transportes

SPTrans abre Licitação para centralizar arrecadação bilionária do Bilhete Único

Empresa busca instituição financeira para gerenciar cerca de R$ 7,2 bilhões arrecadados anualmente com o Bilhete Único

NEGÓCIOS e economia

Fusão com Grupo Soma: Arezzo&Co; muda nome para Azzas 2154

Nova denominação faz parte da fusão com o Grupo Soma e ações serão negociadas na B3 sob o ticker "AZZA3"

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter