X

CALIXCOCA

Vacina contra cocaína: Entenda o que dizem os especialistas

Equipe de cientistas brasileiros busca com a Calixcoca inibir os efeitos da cocaína e do crack no cérebro e ajudar no fim da dependência da droga

Leonardo Sandre

Publicado em 07/04/2024 às 16:10

Atualizado em 11/04/2024 às 16:57

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Uma equipe de cientistas brasileiros busca com a Calixcoca inibir os impactos da cocaína e combater a dependência / Divulgação

O consumo de cocaína cresceu a ponto de estabelecer um novo recorde. De acordo com os cálculos das Nações Unidas, em todo o mundo, cerca de 22 milhões de pessoas consumiram a substância em 2021.

Siga as notícias da Gazeta de S.Paulo no Google Notícias

Esse número é maior do que a totalidade de habitantes das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Na Europa, a cocaína é a segunda droga ilegal mais comum, atrás apenas da maconha.

Considerando tudo isso, uma vacina que inibe os efeitos da cocaína e do crack no cérebro e ajude a abandonar a dependência das drogas começou a ser estudada. Uma equipe de cientistas brasileiros busca com a Calixcoca, uma alternativa terapêutica em desenvolvimento que tem demonstrado resultados promissores em testes iniciais, conseguir este objetivo.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Em outubro de 2023, o projeto ganhou 500 mil euros (cerca de R$ 2,6 milhões) do prêmio internacional Euro Innovation in Health Latin America, financiado pela farmacêutica Eurofarma.

Os recursos foram destinados para que o time de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) avance com o estudo.

Como funciona a cocaína e quais seus riscos?

A substância é extraída das folhas do arbusto da coca. A maioria das vezes ela é inalada em pó pelo nariz. Como alternativa, ela também é fumada em um cachimbo, como o crack, que nada mais é do que um tipo de droga produzida a partir da cocaína.

Liberação de dopamina

Ao fazer o uso, a substância chega ao cérebro através do sangue. Lá, a droga estimula o corpo a liberar várias substâncias mensageiras, inclusive a dopamina. A sensação predominante é a de intensa euforia.

O corpo passa a ficar hiperativo. O coração bate em sua capacidade máxima, enquanto as artérias se contraem. A pressão arterial aumenta, assim como a temperatura corporal. Necessidades como fome e sede deixam de ser importantes.

Convulsões e paradas cardiorrespiratórias 

Na, pior das hipóteses, o uso da cocaína pode causar convulsões e até mesmo parada respiratória e cardíaca.

O efeito dura de cinco a 30 minutos. “É como se todos os semáforos estivessem verdes”, disse Hanspeter Eckert, terapeuta em uma associação de Berlim que trabalha com terapia medicamentosa.

Desejos frequentes

“O cérebro memoriza: isso foi intenso e ótimo, quero de novo. O corpo armazena o consumo como essencial para a sobrevivência”, acrescentou.

O desejo por mais cocaína passa a dominar os pensamentos. O vício é desenvolvido e a saúde, contatos sociais e trabalho ficam para escanteio. As vozes internas que alertam sobre as consequências se tornam mais silenciosas.

Para que serviria a vacina?

Uma vacina contra a cocaína pode ajudar no tratamento da dependência. Após a vacinação, formam-se anticorpos no sangue.

Esses anticorpos se ligam especificamente à cocaína. Portanto, a substância é grande demais para passar pela barreira hematoencefálica. Isso significa que o cérebro não pode ser estimulado, então, não há a sensação causada pela substância.

As reações cerebrais que normalmente desencadeiam o desejo pela droga são suprimidas. Como resultado, o paciente percebe a droga de forma diferente, é o que explicou Frederico Garcia, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

"É uma vacina terapêutica. Sua função é ajudar o dependente químico a produzir anticorpos que se ligam à droga e impedem que ela entre no cérebro", completou.

 Mais de três mil brasileiros já contataram a equipe de Garcia para se voluntariar nos testes.

Na prática, a vacina busca bloquear a sensação gratificante que a cocaína provoca quando ativa a região do cérebro conhecida como “área de recompensa”.

Ao quebrar esse ciclo, que leva à compulsão por drogas e, consequentemente, à dependência, a dose “aumenta as chances” de que os usuários consigam largar a substância, disse o cientista.

Especialistas céticos sobre a vacina

O terapeuta Hanspeter Eckert, que atua em uma associação de Berlim mostrou-se cético sobre a vacina, frisando que ainda assim o paciente teria que passar pelo processo de terapia.

"É necessário pelo menos um ano para que viciados aprendam a entender seu corpo e sua psique. Por meio desse processo, eles ganham mais controle sobre suas vidas", explicou Eckert.

A vacinação não é pensada como uma medida preventiva ou para usuários ocasionais. O terapeuta advertiu que existe o risco de overdose entre os vacinados porque a vacina bloqueia o inebriamento.

Assim, o usuário pode buscar uma dose mais alta, o que pode sobrecarregar a circulação – o resultado pode ser uma parada cardíaca e respiratória.

Contudo, ele é favorável sobre a tentativa da pesquisa: “Se não houver o inebriamento, a mente pode descansar. O corpo pode se libertar da irritação constante. As pessoas podem ter experiências positivas e perceber que a boa sensação se deve a elas mesmas e não à droga”.

Outra especialista a falar sobre o tema, Marica Ferri, do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT), apresentou outras ponderações:

“A substância em si não é um problema isolado. Todos os problemas não são resolvidos automaticamente com a interrupção do uso de cocaína. Os danos físicos precisam ser curados, assim como a saúde mental. A terapia também envolve trabalhar a psique e o ambiente social. Isso leva tempo”, pontuou.

Marica Ferri concluiu dizendo que a vacinação é adequada para uma pequena proporção de usuários que já estão na terapia. Ela também defendeu o aumento do número de locais que ofecerem terapia.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

MOBILIDADE URBANA

Linha 6-Laranja: túneis se encontram na zona norte de SP

Cerimônia celebrou o encontro dos túneis da futura estação Brasilândia e do Pátio Morro Grande

Leilão de veículos

Detran-SP realiza leilão online com lances a partir de R$ 2 mil

Carros conservados e sucatas disponíveis; visite e faça seu pré-lance em julho

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter