últimas notícias
Pacientes com sintomas leves da doença que passarem pelo atendimento montado na rua Saldanha Marinho estão sendo convidados para o experimento
Pacientes com sintomas leves da doença que passarem pelo atendimento montado na rua Saldanha Marinho estão sendo convidados para o experimento
Foto: Eric Romero/PMSCS

São Caetano e Ministério da Ciência iniciam testes contra Covid-19

Estudo testa a Nitazoxanida contra o coronavírus; cidade procura 500 voluntários

São Caetano do Sul foi escolhida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) para um estudo clínico contra a Covid-19 usando o remédio Nitazoxanida. A última etapa da pesquisa será realizada com voluntários, com o objetivo de testar a eficácia do remédio.

Na última sexta-feira (12), o ministro Marcos Pontes visitou o município para promover a ação “500 Voluntários Já”. “Precisamos envolver 500 pacientes para que o estudo seja concluído o quanto antes”, destacou Pontes.

“Queremos apresentar ao Brasil e ao mundo que este remédio, identificado por pesquisadores brasileiros com recursos do governo federal, é capaz de combater o vírus e salvar vidas”, completou o ministro.

Para o prefeito José Auricchio Júnior, é uma satisfação a cidade ajudar na busca de uma solução contra o vírus “Estamos enfrentando uma crise sanitária sem precedentes no mundo contemporâneo. A Covid-19 é uma doença traiçoeira, que tem tirado muitas pessoas do nosso convívio. Esperamos que, na maior brevidade, possamos ter uma droga para a redução de sua carga viral”, informou Auricchio Júnior.

Pacientes com sintomas leves da doença que passarem pelo atendimento montado na rua Saldanha Marinho estão sendo convidados para o experimento.

O paciente é acompanhado por oito dias, com o medicamento administrado por cinco deles. “Em alguns casos, a pessoa poderá apresentar algum sintoma leve por conta do uso da Nitazoxanida, especialmente gastrointestinal, mas este é um protocolo seguro com relação a efeitos colaterais”, disse o diretor técnico do Hospital Albert Sabin e coordenador do estudo em São Caetano, Marco Cezário.

Comentários

Tops da Gazeta