últimas notícias
A Craisa usou dados baseados no consumo de uma família de quatro pessoas (dois adultos e duas crianças) em um período de 30 dias
A Craisa usou dados baseados no consumo de uma família de quatro pessoas (dois adultos e duas crianças) em um período de 30 dias
Foto: Thiago Neme/Gazeta de S.Paulo

ABC registra alta de 17% no preço da cesta básica

De acordo com levantamento feito pela Craisa, o conjunto de 34 produtos essenciais custou em média R$ 801,11 em setembro

A cesta básica ficou 17,7% mais cara no ABC Paulista durante a pandemia da Covid-19, segundo uma pesquisa realizada pela Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André (Craisa).

De acordo com a Craisa, o conjunto de 34 produtos essenciais custou em média R$ 801,11 em setembro. Em março, quando o coronavírus chegou ao Brasil, o mesmo conjunto custava R$ 680,70.

No mesmo período, a inflação do Brasil, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficou em 0,81%.

Ainda de acordo com o levantamento da Craisa, os “vilões” da cesta básica foram o arroz e o óleo de soja, que ficaram 49,8% e 49,0% mais caros.

Seis dos trinta e quatro itens da cesta básicas ficaram mais baratos, entre eles o papel higiênico (-33.3%), laranja (-12,1%) e o tomate (-10,1%), segundo o levantamento.

Pesquisa

A Craisa usou dados baseados no consumo de uma família de quatro pessoas (dois adultos e duas crianças) em um período de 30 dias. Foram consultadas seis das sete cidades do ABC, Rio Grande da Serra não foi inclusa.

Comentários

Tops da Gazeta