últimas notícias
Segundo o Governo, imóveis da empresa são considerados ociosos; valor será para investimentos
Segundo o Governo, imóveis da empresa são considerados ociosos; valor será para investimentos
Foto: DIVULGAÇÃO

Correios leiloam 50 imóveis até o fim de fevereiro

Previsão é que 130 imóveis sejam vendidos em 2021 e dinheiro será usado para investimentos

Entre os meses de janeiro e fevereiro, cerca de 50 imóveis pertencentes aos Correios irão a leilão. Até o fim do ano, a estimativa é que 130 propriedades da instituição sejam vendidas. De acordo com o Governo Federal, o dinheiro arrecadado gerará recursos para novos investimentos.

"Os imóveis estão sendo vendidos após uma análise que demonstrou que eles não estão agregando valor ao negócio da empresa. São considerados ociosos (...). A venda é decorrente da necessidade da empresa de reduzir despesas e, ao mesmo tempo, gerar recursos para investimentos naquilo que realmente importa, tais como investimentos em novos imóveis, máquinas e veículos. Enfim, uma série de itens que vão contribuir para o melhor desempenho da empresa", explicou a superintendente executiva de infraestrutura dos Correios, Ana Lúcia Meira de Veiga.

Nos certames dos dois primeiros meses do ano, estão incluídos terrenos, apartamentos e prédios comerciais no Distrito Federal e em 11 estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo.

No estado de São Paulo há imóveis disponíveis em 12 cidades. Na Capital, são duas propriedades: uma no bairro de Campos Elíseos e outra no bairro do Belenzinho, com valores iniciais de R$ 12,6 milhões e R$ 4,2 milhões, respectivamente. Com valor mais acessível, no Estado, vale destacar ainda um imóvel comercial, localizado no centro de Iguape, que pode ser adquirido a partir de R$ 285 mil.

Os interessados em participar dos leilões devem acessar o site www.feiraodeimoveiscorreios.com.br, onde é possível verificar as condições de compra. 

Comentários

Tops da Gazeta