X

Negócios

Empresa que controla a rede de restaurantes Outback pode sair do Brasil

A Bloomin' Brands, empresa controladora da rede, está considerando vender o comando dos restaurantes no País mas garante que operação continua

Natália Brito

Publicado em 17/05/2024 às 17:10

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Outback é uma das redes de restaurantes mais famosas do Brasil / Divulgação

O Outback, uma das redes de restaurantes mais famosas do Brasil, pode passar por uma mudança significativa em suas operações no país. A Bloomin' Brands, empresa controladora da rede, está considerando vender o comando dos restaurantes no País, em meio a uma queda nas vendas e prejuízo registrado pela matriz da empresa no primeiro trimestre de 2024.

Siga a Gazeta nas redes sociais e fique bem informado! 

Segundo informações do portal “g1”, a Bloomin' Brands não fechará as lojas do Outback no País. A operação brasileira do Outback representa a segunda mais importante do mundo para a empresa, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, onde está localizada a sede da empresa.

“A Companhia anunciou que está explorando e avaliando alternativas estratégicas para as operações no Brasil que tenham o potencial de maximizar valor para nossos acionistas, incluindo, mas não se limitando a, uma possível venda das operações”, diz a empresa, em seu balanço corporativo.

Siga as notícias da Gazeta de S.Paulo no Google Notícias.

Em 2023, o resultado das operações internacionais da rede foi de US$ 84 milhões (cerca de R$ 432 milhões), e o Brasil teve uma grande parcela nisso: as lojas brasileiras do Outback respondem por 87% do faturamento internacional.

A Bloomin Brands opera 159 restaurantes do Outback no Brasil, além de 16 unidades da rede Abbraccio e duas da Aussie Grill.

Apesar da importância do Outback Brasil para a Bloomin' Brands, a companhia estuda a venda do controle da operação porque atravessa uma situação financeira mais desafiadora.

Prejuízo

Entre janeiro e março deste ano, a receita global da Bloomin' Brands caiu 4%, totalizando pouco menos de US$ 1,2 bilhão (aproximadamente R$ 6 bilhões). A empresa atribuiu a queda a vendas mais baixas ao nível mundial e ao fechamento de restaurantes. No Brasil, as vendas do Outback recuaram 0,7%.

Como resultado, a empresa registrou um prejuízo de US$ 83,9 milhões (R$ 432 milhões) no primeiro trimestre, em comparação com um lucro de US$ 91,3 milhões (R$ 470 milhões) no mesmo período do ano passado.

Isenção de imposto 

Ainda de acordo com informações do “g1”, a empresa afirma que “o impacto da anulação da isenção do imposto sobre valor agregado no Brasil” pesou sobre o balanço.

Em dezembro do ano passado, o governo enviou ao Congresso uma medida provisória que previa o fim do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), criado durante a pandemia para apoiar bares, restaurantes e o setor de eventos.

No entanto, a medida só entraria em vigor a partir de abril deste ano, após o período de apuração dos resultados do primeiro trimestre da empresa. No final do mês, o governo decidiu manter o Perse até 2026.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Confusão em Clássico Paulista

Goleiro do Corinthians chama Luciano de 'otário' nas redes sociais

Carlos Miguel se envolve em polêmica após empate com o São Paulo e será desfalque na próxima partida contra o Internacional

SUSPEITO SEGUE FORAGIDO

Saiba quem é o empresário que atirou três vezes em veículo após briga de trânsito

Polícia Civil segue na busca de Adriano Domingues da Costa, suspeito de atirar em outro veículo após uma briga de trânsito na rodovia Castello Branco

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter