últimas notícias
A vítima foi rendida na noite de quinta-feira (16) ao entrar em seu carro próximo aos trilhos do VLT.
A vítima foi rendida na noite de quinta-feira (16) ao entrar em seu carro próximo aos trilhos do VLT.
Foto: Divulgação/Prefeitura de Santos

Polícia prende morador de rua suspeito de atacar jornalista a facada em Santos

A prisão de Renan Souza de Oliveira, de 29 anos, foi feita na tarde deste sábado (18) em um terreno no Itararé, em São Vicente

Policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos prenderam na tarde deste sábado (18) o morador de rua Renan Souza de Oliveira, de 29 anos, suspeito de atacar uma jornalista de 43 anos a facada durante um assalto no carro da vítima, na noite de quinta-feira (16).

A mulher, rendida no Marapé e obrigada a dirigir em direção a São Vicente, teve ferimentos graves nos dedos indicador e anelar da mão direita devido ao golpe de facão. Ela foi atingida após reagir a uma tentativa de estupro. A jornalista recebeu atendimento no Hospital Sírio-Libanês e teve alta neste sábado (18).

Análise de imagens de monitoramento da região dos trilhos do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) foi decisiva para a identificação do suspeito, que tem cabelo comprido e é manco. De posse dessas características, os investigadores realizaram diversas diligências até localizarem Renan em um terreno na Rua Princesa Isabel, no Itararé, em São Vicente, em uma área próxima aos trilhos.

O suspeito nega a autoria do crime, mas foi reconhecido por meio de foto pela vítima.

Com base nas investigações desenvolvidas da DIG e no 2º Distrito Policial (Jabaquara), os delegados Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior e Francisco Garrido Fernandes, respectivamente titulares destas unidades, requereram neste sábado a prisão temporária do suspeito, que foi decretada pelo juiz Guilherme da Costa Manso Vasconcellos, responsável pelo plantão judiciário.

O suspeito, que já tem antecedentes criminais, foi recolhido para a cadeia anexa ao 5º Distrito Policial (Bom Retiro). Até a noite deste sábado, ele não tinha advogado.

Além dos delegados Lara e Garrido, participaram das coordenações das apurações que resultaram na prisão os investigadores-chefes Paulo Carvalhal, da DIG, e Marcos Pina, do 2º DP.

Comentários

Tops da Gazeta