últimas notícias
Também nesta sexta-feira (4), o governo do Paraná informou que os testes da vacina russa  devem começar em um mês
Também nesta sexta-feira (4), o governo do Paraná informou que os testes da vacina russa devem começar em um mês
Foto: Martin Sanchez/Unsplash

Vacina da Rússia contra Covid-19 produz imunidade, indica estudo

Estudo foi publicado na revista científica ‘The Lancet’; resultados apontam que imunizante produz uma resposta forte e de longo prazo contra a Covid-19

Cientistas russos divulgaram os resultados das fases 1 e 2 da vacina contra a Covid-19 nesta sexta-feira (4). O estudo foi publicado na revista científica “The Lancet” e os especialistas apontam que os resultados do imunizante são promissores.

Os resultados indicam que não houve efeitos reversos até 42 dias depois da imunização nas fases 1 e 2 de testes, e que todos desenvolveram anticorpos para a Covid-19 dentro de 21 dias.

Os cientistas do Instituto Gamaleya, responsável pelo desenvolvimento da vacina, falaram à imprensa que a resposta dos testes foi maior que a vista em recuperados da doença naturalmente. O imunizante foi aplicado em 76 pessoas.

O estudo publicado também revela que a vacina produz uma resposta das células T, um tipo de célula de defesa do corpo, dentro de 28 dias. Os especialistas responsáveis pelo estudo afirmaram que a vacina indica uma resposta forte e de longo prazo.

A vice-presidente do Instituto Sabin de Vacinas, médica epidemiologista Denise Garrett, aponta que o problema da vacina russa é que a imunização foi aprovada sem os resultados da fase 3. "Teria sido ótimo se tivessem feito da seguinte maneira – publicado esses resultados e passado para a fase 3. Passar para a vacinação em massa sem fase 3 é desastroso", diz Garrett. "Se há um efeito adverso que é de 1 em cada 100 pessoas, eles testaram só 76", destaca a vice-presidente.

Se essa fosse a incidência de efeitos colaterais, ele ressalta que muitas pessoas poderiam ser afetadas. "Centenas de milhares, milhões, até bilhões de pessoas podem receber essa vacina. Se aplicar em mil pessoas, são 10 pessoas previamente sadias que vão desenvolver efeito adverso grave", diz Garrett.

No Brasil

Também nesta sexta-feira (4), o governo do Paraná informou que os testes da vacina russa devem começar em um mês. Os testes da fase três do imunizante devem ser feitos com 10 mil profissionais de saúde voluntários. De acordo com o secretário da Casa Civil do Paraná, o pedido do registro à Anvisa deve acontecer em cerca de dez dia e os testes devem ocorrer somente após liberação.

Comentários

Tops da Gazeta