X

CANCELAMENTO

Cultura do cancelamento: Saiba como o fenômeno afeta a vida dos participantes do BBB

Psicóloga clínica alerta que a tendência de transformar um participante em vilão prejudica sua saúde mental e sua vida social dentro e fora do reality

Nathalia Fruchi/Assistente de redação*

Publicado em 24/01/2024 às 16:00

Atualizado em 27/03/2024 às 13:18

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A cultura do cancelamento prejudica a saúde mental e vida social de quem dentro e fora do reality / Reprodução Globoplay

O Big Brother Brasil 24 estreou há 3 semanas, tempo suficiente para que alguns participantes sejam acometidos por um fenômeno crescente: a cultura do cancelamento. Essa tendência se manifesta principalmente nas redes sociais e tem como objetivo o linchamento virtual que visa boicotar e banir pessoas, eventos ou marcas que assumem comportamentos considerados incorretos. 

A psicóloga Tatiane Paula que relatou como participar ou ser vítima da cultura do cancelamento pode ser destrutivo e alertou sobre cuidados mentais que devem ser tomados nesta época de reality, confira abaixo:

Porque o cancelamento pode ser prejudicial?

Tatiane Paula informou que participar ou ser vítima deste episódio pode ser perigoso, isso porque segundo ela o cancelamento surgiu para incentivar questionamentos e debates sobre comportamentos prejudiciais, o cancelamento na maioria das vezes se desvia do propósito original. Entretanto, ao invés de promover discussões construtivas, atualmente o cancelamento tornou-se um cenário onde atitudes e pensamentos são condenados sem espaço para diálogo.

“Em meio à busca por entretenimento, as massas tornam-se juízes virtuais, elegendo vilões e desencadeando diversas críticas e ameaças. A pessoa rotulada como "vilã" do reality acaba se tornando alvo das frustrações coletivas”, relatou Tatiane Paula, psicóloga clínica.

Porque os participantes do BBB tem um psicólogo a disposição?

“Os reality shows, em sua essência, submetem os participantes a uma intensa pressão. A exposição ao público cria uma dinâmica de jogo e espetáculo, muitas vezes priorizando o entretenimento sobre a ética. Em busca da possibilidade de ganhar dinheiro e fama, os participantes podem adotar estratégias controversas, alimentando um ciclo de dramas e conflitos”, explicou Tatiane.

A psicologia desempenha um papel essencial nesse espetáculo midiático. De acordo com a especialista, a representação de participantes como mocinhos e vilões revela uma necessidade coletiva de encontrar inimigos, transformando o jogo em uma dinâmica de grupo onde a coesão social é construída às custas da reputação e do bem-estar emocional não apenas do participante do reality, mas também das pessoas próximas a ele.

Como o reality pode ajudar a desmistificar e democratizar informações sobre saúde mental?

A psicóloga pontuou que a reflexão sobre nosso papel como consumidores e produtores dessa narrativa é fundamental. Ao compreender as dinâmicas psicológicas envolvidas, podemos questionar nossa contribuição para esse espetáculo, promovendo uma cultura mais crítica e consciente diante dos impactos reais sobre a saúde mental e emocional dos envolvidos. Além disso, há uma associação curiosa com personagens de novelas, mas no contexto da vida real. 

“A representação do participante como vilão ou mocinho não é um espelho fiel de quem são fora das telinhas. O público é instigado a refletir sobre a complexidade por trás dos comportamentos exibidos, reconhecendo que a construção de personagens está sujeita à manipulação do espetáculo”, esclareceu a psicóloga clínica.

Recentemente, o cantor Rodriguinho, participante do camarote do BBB 24, tem enfrentado ameaças e críticas nas redes sociais por sua participação no programa. Paralelamente, a influenciadora digital Vanessa Lopes, temendo passar por isso, tomou a decisão de apertar o botão e abandonar o programa. Esses eventos destacam a pressão e os desafios enfrentados pelos participantes diante da intensa exposição e do julgamento virtual, ressaltando a urgência de discutir os impactos reais da cultura do cancelamento nos bastidores do entretenimento televisivo.

Segundo Tatiane, George Orwell, décadas atrás, capturou nuances sociais que ressoam nos reality shows modernos. Seus enredos, como em "1984" e "A Revolução dos Bichos", ecoam nos dramas televisivos atuais, oferecendo um olhar perspicaz sobre vigilância, manipulação de verdades, poder e a distração proporcionada pelo entretenimento.

“Ao mergulharmos nas tramas desses programas, devemos lembrar que cada participante, ao escolher sua estratégia, contribui para uma narrativa cuidadosamente manipulada. A reflexão profunda nos permite evitar julgamentos precipitados, compreendendo que o reality é um espetáculo desenhado para capturar audiências, mas que não reflete integralmente a verdadeira natureza dos envolvidos”, concluiu a especialista.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

*Assistente de Redação, sob supervisão de Matheus Herbert.
 

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Mobilidade

Veja as principais e as futuras linhas do Metrô da Cidade de São Paulo

A Gazeta separou tudo o que você precisa saber sobre linhas do metrô atuais e as futuras que serão construídas; confira

sorte grande

Aposta de Itupeva, interior de SP, leva R$ 14 milhões pela Quina

O próximo sorteio será hoje e tem prêmio estimado em R$ 700 mil; veja o bairro da aposta que ganhou o último concurso

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter