Publicidade

X

Capital

Covas diz que vai tapar 40 mil buracos em 40 dias

ZELADORIA. Em visita ao Capão Redondo, que completou 107 anos, prefeito destacou os avanços da zeladoria na Capital

NELY

Publicado em 30/04/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O prefeito Bruno Covas (PSDB) e secretários municipais fizeram uma vistoria no Mutirão dos Bairros, projeto da Prefeitura de São Paulo que leva zeladoria e serviços públicos aos bairros, na manhã de sábado (27), no Capão Redondo, na zona sul da Capital. O gestor municipal percorreu os quiosques de prestações de serviço e conversou com servidores e com a população. No mesmo local ocorria a comemoração de aniversário de 107 anos do Capão Redondo.

De acordo com o prefeito, o trabalho de tapamento de buracos nas vias deve ser intensificado pelos próximos 40 dias. "Lançamos recentemente o desafio de tapar todo o estoque de solicitações do 156 [telefone de solicitações à prefeitura]. São 40 mil buracos para serem tapados em 40 dias para melhorar o que é um dos principais problemas da cidade. Em 2019 e 2020, vamos tapar 540 mil buracos na cidade de São Paulo".

O aumento da quantidade de buracos nas ruas e avenidas da Capital, diz ele, foi agravado pelo fechamento da usina do asfalto no ano passado no bairro da Barra Funda, na zona oeste, e por conta das chuvas fortes de dezembro a março.

A ação no Capão Redondo é uma união entre zeladoria e ação social e vai continuar em outras regiões da Capital. "Todo fim de semana nós estaremos com uma ação concentrada de zeladoria em 12 eixos da cidade. E num desses 12 eixos também haverá uma ação social. Hoje estão presentes aqui as secretarias de Assistência, Direitos Humanos, Saúde, Pessoa com Deficiência, entre outras. Nós triplicamos o recurso de zeladoria de R$ 500 milhões para 1,5 bilhão, o que, com outras iniciativas, vai melhorar a zeladoria", afirmou o tucano.

Por fim, o prefeito parabenizou o Capão Redondo pelo aniversário de 107 anos. "O aniversário é um momento para que a gente possa renovar as esperanças num Brasil melhor, numa cidade melhor e num Capão melhor".

SECRETÁRIOS.

O secretário de Subprefeituras, Alexandre Modonezi, explicou que o aumento da verba para a zeladoria, de R$ 500 milhões para R$ 1,5 bilhão, já está fazendo efeito no cotidiano do trabalho da gestão municipal.

"Hoje temos condições de colocar mais equipes nas ruas e de atender mais rapidamente a população. Algumas equipes estão assinando contrato agora, outras já começaram ser contratadas. Nos próximos 60 dias isso vai estar muito mais visível na cidade", disse.

O secretário também falou sobre o serviço de tapamento dos buracos. "Estamos fazendo um mutirão. Tivemos problema do fornecimento da massa asfáltica, e então contratamos três usinas. Dia 17 do mês que vem conseguimos zerar o que ficou acumulado [38 mil solicitações]. Além disso, estão ocorrendo corte de grama, poda de árvore e limpeza de galerias na cidade inteira".

Segundo ele, se a população vir algum problema na rua pode entrar em contato pelo telefone 156, pelo aplicativo ou pelo site da prefeitura para fazer a solicitação do serviço de zeladoria.

O secretário municipal de Habitação, Aloísio Pinheiro, explicou a função da sua pasta no evento. "Nosso papel no mutirão, além de divulgar as nossas políticas públicas habitacionais, é entregar o termo de quitação dos nossos mutuários. Hoje chegou o dia da entrega do termo de quitação, em que as pessoas não serão mais mutuárias, mas proprietárias de suas unidades habitacionais", disse.

Cerca de 55 termos de quitação foram entregues no sábado. Uma das pessoas que estava na fila de atendimento era a aposentada Irailde Vera Luiz, que queria negociar a quitação de seu apartamento na Cohab Adventista, no Capão Redondo. "Vim fazer uma negociação com a Cohab. Já tem uns 30 anos que eu pago isso daqui e nunca termina. Eu vou ter que fazer uma negociação, e nem sei direito que negociação é essa", afirmou.

Ainda segundo o secretário de Habitação, a prefeitura vai entregar 25 mil unidades habitacionais novas até o fim do mandato de Covas, em dezembro do ano que vem. "Mas, se contar os títulos de regularização fundiária, títulos de quitação e títulos de propriedade, estimamos em 160 mil [unidades] até o fim da gestão", explicou.

Por sua vez, o secretário municipal da Pessoa com Deficiência, Cid Torquato, destacou o Programa Municipal de Calçadas, que pretende investir R$ 400 milhões até o fim de 2020, com a requalificação de 1,5 milhão de m2 de calçadas públicas e privadas. "A nossa meta é ousada, mas factível. Vai haver 1,5 milhão de m2 de calçadas acessíveis até o fim do ano que vem", afirmou. (Bruno Hoffmann)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Estado

Avenida São João fechada para lazer aos domingos opõe moradores e empresários

Moradores afirmam ser irresponsável bloquear garagens em um perímetro com tantos residentes

Brasil

Jornalista de 34 anos que estava desaparecida é achada morta em rio em MG

Inicialmente, segundo a reportagem apurou, não foi possível visualizar ferimentos no corpo

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software