Publicidade

X

Grande São Paulo

PM que matou jovem com tiro na nuca vai a júri popular

Alécio José de Souza atendia ocorrência em Santo André, quando disparou contra jovem; testemunhas dizem que não houve confronto

Matheus Herbert

Publicado em 23/02/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O adolescente morreu após ser atingido por um tiro na nuca disparado durante uma ocorrência em uma viela de Santo André / /Reprodução Tv Globo

O policial militar Alécio José de Souza será julgado em júri popular pela morte do garoto Luan Gabriel Nogueira de Souza, de 14 anos, em novembro de 2017. O adolescente morreu após ser atingido por um tiro na nuca disparado por Souza durante uma ocorrência em Santo André. O policial diz ter reagido após ser alvo de disparos, mas nenhuma arma foi encontrada na região e testemunhas relataram que Luan estava no local cumprimentando colegas e estava a caminho do mercado, onde compraria bolachas.

A decisão foi tomada pelo juiz Bruno Luis Costa Buran na quarta-feira. Ele narrou na decisão de pronúncia que o policial Alécio foi acionado para atender uma ocorrência de desmontagem de uma motocicleta em uma travessa do Parque João Ramalho, em Santo André. Ao chegar ao local, o policial Adilson Antônio Senna de Oliveira, que testemunhou o caso e acompanhava Alécio na ocorrência, disse ter ouvido disparos e visualizou o garoto Luan caído no solo.

Uma testemunha do caso disse que estava na companhia de amigos quando encontrou Luan. "Disse que, após poucos instantes, o réu (policial Alécio) apareceu e disse 'perdeu, já era', efetuando disparos de arma de fogo, atingindo a vítima. Declarou que nenhum dos rapazes que estavam presentes no local dos fatos estava armado e que ouviu três disparos", descreveu o juiz.

Em interrogatório, o réu confessou os disparos, alegando que agiu em legítima defesa, "repelindo injusta agressão consistente em disparos de arma de fogo na sua direção". O magistrado escreveu que "a prova até então existente nos autos desautoriza a absolvição sumária do acusado", cabendo a análise da credibilidade dos depoimentos prestados ao Conselho de Sentença (júri popular).

Para parentes, amigos e o advogado da vítima, não há que se falar em confronto.

"De fato, as provas e testemunhas atestaram que foi uma execução praticada por quem deveria proteger e não matar", escreveu em nota o advogado Ariel de Castro
Alves.

O policial chegou a ser preso, mas conseguiu um habeas corpus e responde ao processo em liberdade. O juiz destacou que ele compareceu a todos os atos do processo, é réu primário e tem residência fixa. (EC)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Futebol

Quais são os times que jogarão o Brasileiro 2024?

O Brasileiro vai começar no dia 14 de abril e contará com um jogo inaugural, uma das novidades divulgadas pela CBF

Crime

Três pessoas são presas por maus-tratos em clínica de reabilitação em Vargem Grande Paulista

Uma Kombi lotada de pacientes tentou deixar a clínica para fugir da fiscalização, mas o veículo foi localizado pelos policiais

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software