Publicidade

X

ARTIGO

Temporada de caça

DOUGLAS

Publicado em 14/05/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Nilton Tatto COLABORADOR / /Divulgação

Após Jair Bolsonaro assinar o decreto 9.785, facilitando acesso da população à armas e munições, o Partido dos Trabalhadores entrou com um Projeto de Decreto Legislativo para anular o documento presidencial. O Brasil é o País com maior número de mortes por armas de fogo no mundo, onde as maiores vítimas são jovens negros moradores das periferias. Como se não bastasse, a medida coloca em risco também a população do campo; indígenas; quilombolas; trabalhadores rurais sem terra e a vida de animais silvestres, inclusive aqueles ameaçados de extinção.

Ainda que o PL da Caça não tenha sequer sido votado na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados, Bolsonaro faz uma manobra para afagar a chamada "Bancada da Bala", garantindo que caçadores, atiradores esportivos e colecionadores tenham acesso facilitado aos equipamentos e acessórios de tiro. O decreto presidencial prevê também a ampliação das categorias profissionais com posse de armas (estendendo o mesmo à parlamentares e
jornalistas).

A medida traz vários pontos polêmicos, como a livre importação de armas e munições; a autorização para o transporte destes equipamentos carregados e municiados; a expansão no limite de compra de cartuchos de munição, que passa de 50 para 1.000 unidades; a ampliação do uso por moradores de áreas rurais e finalmente o aumento dos pontos de venda.

No afã de agradar à indústria armamentista, o presidente ignora a desigualdade no Brasil, promovendo a violência, em especial contra grupos minoritários. É o caso por exemplo dos conflitos pela terra, que geram disputas violentas e covardes há muito tempo no País.

O Brasil liderou por 2 anos consecutivos o ranking mundial da ONU de morte de ativistas ambientais, que aponta o agronegócio como o setor mais perigoso, ultrapassando a mineração.

O decreto presidencial promete agravar ainda mais esta situação e não é preciso nem dizer quem serão os mais afetados.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Educação

Taboão da Serra inicia entrega do uniforme escolar

Expectativa é que até o dia 15 de março todos os estudantes tenham recebido o kit completo

Direitos Humanos

'Inconcebível', diz Alckmin sobre ataques contra civis em Gaza

Assim como Lula, vice-presidente fez apelo à comunidade internacional

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter