últimas notícias

Em destaque

Santander multado.

A subprefeitura de Pinheiros confirmou que multou o Santander por colar um adesivo gigante em prédios próximos ao shopping JK Iguatemi, na marginal Pinheiros, em São Paulo. A peça desrespeita a lei Cidade Limpa, em vigor desde 2007 no município. A mensagem "Bora Empreender, Brasil #AquiÉoLugar" está colada em prédios do banco. A peça não passou pela Comissão de Proteção da Paisagem Urbana (CPPU), que analisa casos relacionados à aplicação da legislação de anúncios, mobiliário urbano e inserção de elementos na paisagem urbana.

Só com B.O.

A espera de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade por uma vaga nos serviços de acolhimento da Capital virou caso de polícia. Uma jovem mãe, de 16 anos, e sua filha recém-nascida esperaram por oito horas em uma fila no Conselho Tutelar da Sé, no centro. Diante da demora, os assistentes sociais que acompanhavam a adolescente chegaram a registrar um boletim de ocorrência. Segundo dados da própria Prefeitura de São Paulo, no dia 24 de maio, quando ocorreu o caso, havia no sistema 242 vagas disponíveis no Serviço de Acolhimento Para Crianças e Adolescentes (SAICAS). Ao todo, a cidade de São Paulo conta com 2.335 vagas de acolhimento.

Alta de feminicídios.

O governo de São Paulo lançou uma campanha publicitária contra o feminicídio, que aumentaram 54% no 1º quadrimestre de 2019 no Estado. De janeiro a abril deste ano, 54 mulheres foram vítimas do crime contra 35 no mesmo período de 2018. No vídeo da campanha, mulheres que sofreram agressões de seus ex-companheiros aparecem o "objetivo de despertar o engajamento de toda a sociedade no combate à violência doméstica, inclusive com denúncias de agressores à polícia e à Justiça". Uma delas é Daniela Gasparim, que teve mãos e dedos cortados "devido ao ciúme do ex-marido".

Detran Poupatempo paralisado.

Funcionários que atendem o Detran no Poupatempo de Guarulhos paralisaram os serviços agendados na unidade porque não estão recebendo salários, benefícios e o valetransporte. Eles são empregados terceirizados da empresa Oportunith e alegam que os problemas no pagamento começaram no fim do ano passado. Relatos dos funcionários contam que são cerca de 200 profissionais sem pagamento na unidade desde o dia 7. Eles tiveram a promessa da dona da empresa de que receberiam no dia 12, o que não se concretizou e a companhia informa que agora não há previsão de data para o pagamento.

Comentários

Tops da Gazeta