últimas notícias

Pedro Nastri

-
-
Foto: Gazeta de S.Paulo

TCE investiga governo de SP

TCE investiga governo de SP. O TCE (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) anunciou que irá investigar a compra de aparelhos respiradores pelo governo de São Paulo, feita sem licitação, conforme prevê o decreto estadual de calamidade pública em razão da pandemia do novo coronavírus. O Ministério Público havia aberto um inquérito para investigar a compra. A administração pública do Estado adquiriu três mil respiradores a um custo total de R$ 550 milhões. Cada máquina - importada da China - custou aos cofres públicos R$ 180 mil. A apuração do TCE foi determinada a partir de uma denúncia do senador Major Olímpio (PSL-SP).

Ventilador Pulmonar I. Médicos, designers e engenheiros de São Paulo desenvolveram um novo sistema de ventilação pulmonar, de baixo custo e adequado à produção em larga escala, para suprir a demanda por respiradores em hospitais durante a pandemia do novo coronavírus. O objetivo dos pesquisadores é fabricar um equipamento similar aos que já existem no mercado para que ele possa permanecer nos hospitais após o fim do surto de Covid-19. Uma das principais características da doença é o alto índice de pacientes internados que precisam fazer uso de respiradores. A meta é que o aparelho eletrônico, chamado de VentFlow, custe entre R$ 12 mil e R$ 15 mil e que as primeiras 200 a 400 unidades sejam entregues entre maio e junho.

Ventilador Pulmonar II. Segundo os pesquisadores, modelos comerciais similares custam até R$ 150 mil e estão em falta no mercado porque dependem de insumos importados. Apesar de ser menos econômico do que outros modelos experimentais, como o protótipo feito pela USP com custo estimado de R$ 1 mil, o equipamento desenvolvido pelo grupo tem outras vantagens: ele é equivalente a aparelhos já usados comercialmente e pode ser produzido em larga escala por indústrias que já demonstraram interesse no produto.

Memórias Paulistanas. A construção do Viaduto do Chá; o Páteo do Collégio; as revoluções de 1924 e 1932; o início dos grandes magazines como o Mappin, em 1913; os carnavais.... e por ai vai. Essas são apenas alguns dos milhares de textos e imagens que formam o acervo do grupo "Memórias Paulistanas - Histórias Paulistanas" no Facebook. Um verdadeiro museu nas redes sociais. Comparando imagens, em sua maioriade acervo pessoal, é possível ver o crescimento dos bairros, dos mais antigos aos mais atuais. Também se pode contemplar o rápido crescimento de São Paulo desde o fim do século XIX, com o início da imigração. O endereço do projeto é www.facebook.com/groups/memoriaspaulistanas

Comentários

Tops da Gazeta