últimas notícias
Em destaque
Resumo da semana das notícias mais quentes da cidade de São Paulo com Pedro Nastri, jornalista e apresentador da Rádio Trianon.
[email protected]
-
-

Movimento baixo após reabertura

Movimento baixo após reabertura. A ALSHOP (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) constatou que para 91% dos lojistas o movimento de clientes nos empreendimentos caiu após a reabertura do comércio em boa parte do estado de São Paulo. Cinquenta e cinco por cento disseram que o fluxo é muito baixo e 36% afirmaram que é baixo. Apenas 9% dos lojistas afirmam que a movimentação é regular e ninguém qualificou o movimento como "bom" ou "no mesmo nível anterior ao da pandemia". Os dados constam de uma pesquisa finalizada em 16 de julho com associados do segmento de alimentação, da cidade de São Paulo. No caso da cidade a abertura está concentrada no final do dia e a ALSHOP tem insistido com o governo estadual e com a prefeitura na ampliação para 8 horas de funcionamento.

Animais nas escolas. Avança na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) um projeto de lei que permite a presença de bichos de estimação nas escolas estaduais. O projeto, de autoria dos deputados estaduais Leticia Aguiar e Bruno Lima, ambos do PSL, foi aprovado pela Comissão de Educação e Cultura nesta semana e já teve a aprovação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Agora, será analisado pela Comissão de Finanças e Orçamento, antes de seguir para o plenário da Alesp. Pela proposta, o governo do Estado de São Paulo poderá adicionar uma disciplina na grade curricular das escolas em que serão ministrados conhecimentos relacionados com a proteção dos animais, contando com a presença de um bicho na sala de aula. As escolas particulares, por sua vez, poderão firmar convênios com entidades e associações especializadas no assunto.

Reintegração de posse. O Ministério Público recomendou à prefeitura de São Paulo que todas as reintegrações de posse na cidade sejam suspensas durante o período da pandemia do novo coronavírus. Os promotores justificaram o pedido pela situação social das pessoas em ocupações de áreas irregulares na capital paulista, que estariam ainda mais vulneráveis ao vírus caso fiquem em situação de rua. A petição também citou as recomendações oficiais da prefeitura de isolamento social, que estariam ainda mais comprometidas para moradores de ocupações que fossem obrigados a morar na rua. Em nota, a prefeitura afirmou que cada caso de reintegração "é analisado de modo objetivo, levando em conta as recomendações dos setores técnicos municipais".

Comentários

Tops da Gazeta