Publicidade

X

Saúde

Saúde ainda não fechou contrato de vacina contra a Covid para 2024, mas garante ter estoque

A partir de 2024, a vacina contra a Covid-19 integrará o Calendário Nacional de Vacinação do Ministério da Saúde

Raquel Lopes/Folhapress

Publicado em 04/12/2023 às 15:32

Atualizado em 04/12/2023 às 15:50

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O Ministério da Saúde tem cerca de 32,6 milhões de doses de vacinas Covid-19 disponíveis. / Marcelo Camargo/ Agência Brasil

O Ministério da Saúde não concluiu ainda o processo de contratação para a aquisição de novas vacinas contra a Covid-19 para o próximo ano. No entanto, assegurou que dispõe de estoque suficiente para atender à demanda do público-alvo.

A partir de 2024, a vacina contra a Covid-19 integrará o Calendário Nacional de Vacinação do Ministério da Saúde. Com isso, o imunizante passa a ser aplicado anualmente em crianças menores de 5 anos e grupos prioritários. A estimativa é de 60 milhões de pessoas..

Eder Gatti, diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, anunciou que a pasta adotará um contrato plurianual através de um processo de pregão.
Este pregão, projetado para aquisição de 60 milhões de doses, será destinado a empresas que disponibilizam vacinas baseadas em RNA mensageiro (mRNA). No Brasil, a Pfizer e a Moderna oferecem esse tipo de imunizante.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

A nova modalidade de contrato adotada pelo Ministério da Saúde será executada de acordo com a demanda da pasta. Nesse contexto, as entregas serão realizadas exclusivamente mediante solicitação, com a possibilidade de se estender até o ano de 2025.

O pregão encontra-se em fase de elaboração no âmbito da pasta, que não informou quando ele deve ser publicado.

"Isso é uma modalidade de contrato nova que a gente tem agora no Ministério da Saúde. A gente não vai receber todas as doses de uma vez porque geraria custo de estoque e risco de perda por conta do avanço e do período de validade e estabilidade da vacina", disse.

O Ministério da Saúde tem cerca de 32,6 milhões de doses de vacinas Covid-19 disponíveis. Segundo a pasta, o quantitativo é suficiente para iniciar a campanha de 2024.

A inclusão da vacina no calendário anual passou por avaliação da CTAI (Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19). Na quinta-feira (30), a estratégia foi pactuada na 11ª reunião ordinária da Comissão Intergestores Tripartite.

Durante a apresentação, o diretor disse que neste ano foram registradas mais de 110 mortes de crianças por Covid-19.

Fazem parte do público-alvo para a vacinação de 2024 crianças maiores de seis meses e menores de cinco anos, idosos, imunocomprometidos, gestantes, puérperas, trabalhadores da saúde, pessoas com comorbidades, indígenas, ribeirinhos e quilombolas.

Figuram também no grupo pessoas vivendo em instituições de longa permanência e seus trabalhadores, pessoas com deficiência permanente, privados de liberdade maiores de 18 anos, adolescentes e jovens cumprindo medidas socioeducativas, funcionários do sistema penitenciário e pessoas em situação de rua.

Adultos saudáveis e com o esquema completo de vacinação contra a Covid-19 não precisarão receber nova dose em 2024. Não há comprovação científica, segundo a pasta, de que essa população necessite ser imunizada no próximo ano.

"A vacinação de Covid está numa lógica de ser colocada como uma ação de rotina. A partir do momento que ela entra na rotina das crianças, ela está no calendário, ou seja, vai no posto para receber vacina de rotavírus, meningite, sarampo, vai ser oferecida também a vacina de Covid", disse.

"Para os grupos prioritários, os imunizantes vão estar disponíveis ao longo de todo o ano. Apesar do caráter anual, ela é diferente da influenza que tem o período específico de campanha, a lógica é trabalhar com a vacina disponível o ano inteiro."

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter