Publicidade

X

ARTIGO

Brasil com Ciência

DOUGLAS

Publicado em 24/03/2020 às 01:00

Atualizado em 24/03/2020 às 11:46

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Nilto Tatto COLABORADOR / /Divulgação

É impossível atravessar uma pandemia como a que vivemos, sem investimentos em ciência e tecnologia. O estudo da COVID-19 (Coronavírus), seja por norte-americanos, franceses, chineses ou italianos, é que possibilitará o desenvolvimento de vacinas e medicamentos, minimizando os impactos da doença e permitindo que o mundo volte à normalidade. No entanto, existem particularidades que só serão superadas pela comunidade científica de cada País.

O desmonte da pesquisa científica brasileira e os cortes de recursos das Universidades Federais e institutos, promovidos pelo governo Bolsonaro, deve acender um alerta na sociedade brasileira. Depender exclusivamente de organizações internacionais não é apenas um grande equívoco, mas insuficiente para o Brasil enfrentar esta grave crise.

Muitos já devem ter lido notícias sobre as dezenas de milhares de kits que o governo Federal comprou da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para identificar contaminações por Coronavírus. Os kits foram desenvolvidos pelos institutos de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) e de Biologia Molecular do Paraná (IBMP). A fundação também está capacitando laboratórios públicos de todo o País para realizar os testes.

A Fiocruz é a instituição de ciência e tecnologia em saúde mais importante da América Latina. Além dos testes de Coronavírus, a Fiocruz proporciona economia anual de R$ 300 milhões aos cofres da União com a venda de vacinas por preços abaixo da média de mercado. Isso só é possível porque houve decisão política e investimentos públicos em ciência e tecnologia. O mesmo vale para o SUS, a única ferramenta capaz de garantir o mínimo de atendimento para a grande maioria da população brasileira durante esta pandemia.

Foram estes investimentos que trouxeram o programa Mais Médicos e um protocolo para enfrentar pandemias, ambos desenvolvidos por ministros da saúde dos governos do PT. Quando fomos atingidos pelo coronavírus, Bolsonaro ainda não havia conseguido extinguir estes patrimônios brasileiros, do contrário, a situação seria ainda pior.

*Nilto Tatto é deputado federal pelo PT por São Paulo

 

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter