Publicidade

X

ARTIGO

Indígenas em alerta

RICARDO

Publicado em 31/03/2020 às 01:00

Atualizado em 31/03/2020 às 10:43

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

- / Gazeta de S.Paulo

Um alerta vermelho ecoou entre os povos tradicionais brasileiros no último final da semana: a primeira vítima fatal do Coronavírus no Distrito Federal foi um indígena. A vítima, do sexo masculino, era da etnia Parecei e tinha apenas 46 anos. Ainda que não vivesse em uma aldeia, fazia parte de uma população extremamente vulnerável.

No sábado, o Estado do Amazonas confirmou ao menos 12 indígenas contaminados pelo vírus. Até a semana passada, havia casos suspeitos de contaminação de uma mulher Pataxó na aldeia Coroa Vermelha (BA) e de três indígenas Marubo (AM), além de ao menos 10 casos confirmados na Terra Indígena do Vale do Javari (AM). Pode parecer pouco, mas quando uma doença como esta chega nas aldeias, a velocidade do contágio e o número de mortes são tremendos. Indígenas do Brasil inteiro estão fechando suas comunidades para o acesso de não indígenas e de indígenas que estiveram recentemente em contato com o mundo exterior.

Suspeita-se que alguns dos indígenas contaminados tenham contraído a doença após o contato com o médico que atende suas comunidades, diagnosticado recentemente com Covid-19. Assim que foi confirmada a contaminação do profissional de saúde, agentes do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) do Alto Solimões voaram para o local para monitorar 13 tikunas, dos quais 10 foram atendidos pelo médico e outros três trabalharam com ele nos últimos dias. Este rastreamento é fundamental para conter a propagação da pandemia.

Todos sabemos que os grupos mais vulneráveis ao coronavírus são idosos, pessoas com algumas doenças preexistentes e pessoas com o sistema imunológico fragilizado, mas o caso das populações indígenas é ainda mais grave, pois os locais onde vivem muitas vezes dificultam o acesso ao sistema de saúde, especialmente a hospitais. Outro fator preponderante é que a vida nas aldeias é compartilhada, muitos vivem debaixo do mesmo teto e as atividades são basicamente em grupo, o que faz com que doenças infecciosas atinjam boa parte, quando não a totalidade, dos moradores de uma aldeia.

*Nilto Tatto é deputado federal pelo PT por São Paulo

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter