últimas notícias
SEU DINHEIRO_São 2-54 referentes à inflação dos últimos 12 meses e 5 como parte das perdas anteriores_NAIR BUENO-DL
SEU DINHEIRO_São 2-54 referentes à inflação dos últimos 12 meses e 5 como parte das perdas anteriores_NAIR BUENO-DL
Foto: NAIR BUENO/DL

NOTAS

Reajuste. O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santos (Sindserv) apresentou à Administração Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) a pauta de reivindicação da campanha salarial de 2020. O primeiro item é um reajuste salarial de 7,54%, sendo 2,54% referentes à inflação dos últimos 12 meses (IPCA) e 5% como parte das perdas históricas de anos anteriores. Caso a inflação aumente até a data base (fevereiro de 2020), o pleito será atualizado. (GSP)

Benefícios cancelados. Apuração de benefícios pagos pelo Instituo Nacional de Seguridade Social (INSS) verificou indícios de fraude e irregularidades em 261 mil aposentadorias e pensões. A economia estimada com o fim do pagamento desses benefícios é de R$ 336 milhões por mês ou R$ 4,3 bilhões por ano. Segundo nota do INSS, "os motivos de pagamento irregular mais comuns decorrem de recebimento indevido de benefício assistencial (BPC) por servidores públicos estaduais e municipais, bem como benefícios pagos a pessoas falecidas e pagamento de benefícios assistenciais pagos a pessoas cuja renda familiar supera o limite legal". Do total de benefícios, 59% eram recebidos irregularmente por representantes legais de beneficiário falecido, pagamento pós-óbito sacado irregularmente. Também há casos de realização fraudulenta de prova de vida feita junto a instituições financeiras e sonegação de informações. (AB)

Vendas. As vendas do setor supermercadista aumentaram 4,3% no mês de outubro em comparação a setembro. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o resultado de outubro atingiu elevação de 5,78%. No acumulado de 2019, de janeiro a outubro, em comparação ao mesmo período de 2018, as vendas do setor apresentaram alta de 3,48%. Os dados divulgados na quarta-feira são da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). "O consumo das famílias, que seguiu lento desde o início do ano, devido às incertezas políticas e econômicas, ganhou um ritmo melhor de crescimento a partir do segundo semestre, principalmente pelo aumento do crédito à pessoa física, impulsionado pela liberação dos saques do FGTS e do PIS/Pasep, além da queda de juros e a recuperação gradual do mercado de trabalho", disse o presidente da Abras, João Sanzovo Neto. (AB)

Comentários

Tops da Gazeta