últimas notícias
MÉXICO. A cidade de Cancún aparece no topo das buscas do Kayak. O país tem poucas restrições para a entrada de viajantes do exterior, e as praias são um dos maiores atrativos do local. Com 22 km de litoral, e águas cor azul-turquesa, não é difícil entender o fascínio por esse canto caribenho. A Playa del Carmen é uma das mais badaladas; Isla Mujeres tem pontos ótimos de mergulho, e Chichén Itzá tem ruínas do povo maia. A alta temporada vai de dezembro a março, e a baixa, entre abril e maio. O voo entre São Paulo e Cancún leva, em média, 13 horas.
MÉXICO. A cidade de Cancún aparece no topo das buscas do Kayak. O país tem poucas restrições para a entrada de viajantes do exterior, e as praias são um dos maiores atrativos do local. Com 22 km de litoral, e águas cor azul-turquesa, não é difícil entender o fascínio por esse canto caribenho. A Playa del Carmen é uma das mais badaladas; Isla Mujeres tem pontos ótimos de mergulho, e Chichén Itzá tem ruínas do povo maia. A alta temporada vai de dezembro a março, e a baixa, entre abril e maio. O voo entre São Paulo e Cancún leva, em média, 13 horas.
Foto: Javarman

Para onde os brasileiros podem viajar no exterior

Com a pandemia, alguns países fecharam as fronteiras, mas outros mantêm as portas abertas

Aos poucos, as pessoas estão voltando a viajar: as buscas por destinos nacionais e internacionais vêm aumentando gradativamente. Embora os destinos nacionais estejam no topo, há uma procura, ainda que pequena, por viagens no exterior. “Cancún, Lisboa e Buenos Aires são os top três da lista, e tem Santiago, Miami, Nova York, Londres e Orlando e Dubai”, afirma Gustavo Vedovato, country manager da plataforma Kayak de pesquisa de destinos, hospedagens e voos.

Países como Portugal, Peru e Estados Unidos fecharam suas fronteiras com o Brasil. Por outro lado, há outros com regras mais flexíveis, como o México. “Lá as restrições de viagem são menores e eles estão estimulando o turismo”, afirma. Ao chegar ao país, o turista deve preencher um questionário de fator de risco ao viajante. E Cancún não deixa a desejar: tem praias, parques nacionais e zonas arqueológicas que contam parte da história do povo maia.

Aqui na América do Sul, para entrar na Colômbia, os viajantes devem mostrar um teste RT-PCR negativo feito até quatro dias antes do embarque, e preencher um questionário ao chegar. Um dos pontos mais conhecidos do país é Cartagena, que reúne a beleza das praias caribenhas com um centro histórico repleto de construções fortificadas, como o Forte de San Felipe de Barajas.

Macaque in the trees
COLÔMBIA. O país exige um exame RT-PCR negativo dos turistas ao entrar - e um dos pontos mais conhecidos e deslumbrantes é Cartagena, que fica no litoral norte, no mar do Caribe. Ela reúne a exuberância das praias caribenhas com as construções históricas, como o Forte de San Felipe de Barajas - Alexmillos

Para entrar na Bolívia, também precisa ter um teste RT-PCR negativo feito sete dias antes da viagem, que precisa ser certificado pelo consulado boliviano. Por estar na cordilheira dos Andes, sua altitude chama a atenção. O país reúne formações geológicas como o salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo, o lago Titicaca, um dos maiores da América do Sul, e a cidade de Potosí, que guarda um pouco da história colonial.

Macaque in the trees
BOLÍVIA. O turista entra no país ao apresentar um teste negativo RT-PCR. No alto da cordilheira dos Andes, o país tem uma geografia singular. Uma das atrações mais famosas é o lago Titicaca (foto), que fica a 3.812 metros de altura, e é um dos maiores da América do Sul - Viad_k

O Chile está aberto aos brasileiros, que devem apresentar um teste RT-PCR negativo, passaporte sanitário completo e um comprovante de apólice de seguro saúde. Ao norte do país, San Pedro de Atacama conta a história do povo inca, o Valle Nevado, um centro de esqui, e a parte chilena do deserto da Patagônica, com uma beleza exótica e única.

Macaque in the trees
CHILE. Testes RT-PCR negativos permitem a entrada de turistas pelo aeroporto da capital, Santiago - que é rodeada pela Cordilheira dos Andes. Voos levam de quatro a cinco horas entre São Paulo e Santiago - Zhuzhu

Galeria de Fotos

Comentários

Tops da Gazeta