Publicidade

X

Estado

Governo de SP derruba liminar que prejudicava leilão da Cesp

Na quinta (18), um juiz da 2ª Vara Federal de Presidente Prudente havia suspendido a renovação da concessão da usina de Porto Primavera, que é o principal ativo da companhia Por Folhapress De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 19/10/2018 às 15:55

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O governo paulista conseguiu derrubar na manhã desta sexta-feira (19) uma liminar que prejudicava o leilão da Cesp (Companhia Energética de São Paulo), marcado para esta tarde.

Na quinta-feira (18), um juiz da 2ª Vara Federal de Presidente Prudente havia suspendido a renovação da concessão da usina hidrelétrica de Porto Primavera, que é o principal ativo da companhia elétrica.

O governo paulista recorreu e conseguiu reverter a decisão, que não impedia o leilão, mas comprometia seu sucesso.

Inicialmente, o contrato da hidrelétrica de Porto Primavera venceria em 2028, mas o governo de São Paulo conseguiu negociar com a União a prorrogação desse prazo para 2048, o que torna o ativo mais atrativo.

No fim do ano passado, quando essa prorrogação ainda não havia sido concretizada, o governo paulista chegou a cancelar o leilão que estava marcado por constatar que, sem a medida, não haveria interessados.

Desta vez, a perspectiva do mercado é que, apesar da baixa concorrência em torno do ativo, haveria empresas dispostas a dar lances.

Com o leilão da Cesp, o governo federal espera arrecadar ao menos R$ 1,37 bilhão de bônus de outorga.

Além disso, foi oferecido um preço de R$ 14,30 por ação, o que avalia a empresa em cerca de R$ 4,5 bilhões.

A tentativa do governo de São Paulo de vender sua companhia elétrica é antiga.

As primeiras iniciativas de desestatização ocorreram nos anos 1990. Em 2000, um leilão de privatização foi marcado, mas não houve interessados. Em 2001, um novo ensaio de venda foi frustrado.

Desde então, ao longo dos últimos anos, a Cesp teve novas tentativas frustradas de privatização, deixou de operar usinas hidrelétricas, que passaram a outros atores, e abriu seu capital para permitir a entrada de parceiros privados.

Hoje, o governo paulista ainda detém 40,56% das ações totais da companhia elétrica.

Entre os acionistas minoritários da empresa estão a estatal federal Eletrobras, o banco HSBC, a Squadra Investimentos, o Morgan Stanley, entre outros.

O controle da empresa, porém, ainda é público: o governo paulista detém 95% as ações ordinárias, que dão direito a voto.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Lote Litoral Paulista

Rodovias privatizadas no Litoral devem ter 15 pontos de pedágio; veja os locais

Concessão da Parceria Público-Privada possui 213 quilômetros de extensão em rodovias ligando o Alto Tietê ao litoral sul de São Paulo

CONFUSÃO NA CÂMARA

VÍDEO: Deputado do PSOL troca empurrões com deputado do União e expulsa com chutes integrante do MBL

As agressões ocorreram no fim do corredor das comissões da Câmara, local com intensa movimentação de políticos e assessores

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter