Publicidade

X

Automotor

Em busca do tempo perdido

Publicado em 11/05/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

/

Um hatch subcompacto, leve, feito para ser mais barato e para gastar menos combustível que os hatches compactos tradicionais. Uma marca com longa experiência em vender modelos compactos, grande capacidade de produção e uma ampla rede de concessionárias espalhadas por todo o País. Quando o Fiat Mobi foi lançado, em abril de 2016, essa "receita" parecia ideal para gerar um automóvel capaz de disputar a liderança do ranking nacional de vendas. Mas não foi o que aconteceu, e o Mobi nunca frequentou os primeiros lugares do ranking.

Em 2019, está em décimo quarto lugar, com as 16.576 unidades vendidas de janeiro a abril, média de 4.144 unidades mensais. Um dos motivos que impediram que o Mobi se tornasse um "best seller" foi o motor. Na época do lançamento, a única opção era o veterano motor 1.0 8V de 73/75 cavalos e torque de 9,5/9,9 kgfm com gasolina/etanol - o mesmo que, desde a virada do século, moveu as versões básicas do Palio e do Uno. Sete meses após a estreia do modelo, o moderno motor tricilíndrico 1.0 Firefly, com potência de 72/77 cavalos e torque de 10,4/10,9 kgfm com gasolina/etanol, chegou à versão Drive - todavia, o impacto do lançamento já havia passado. Se o Mobi tivesse sido lançado já com o motor Firefly, talvez sua trajetória fosse diferente.

Outra questão controversa que acompanha o Mobi desde o lançamento diz respeito à estética. Na estreia do subcompacto, a Fiat destacou o design como um dos pontos altos. Contudo, ao contrário do Uno, cujo estilo "round square" transmite inegável jovialidade, ou do Argo, com seu aspecto vigoroso e esportivo, tipicamente italiano, a aparência do Mobi não obteve um impacto tão positivo. Na dianteira, faróis e lanternas são grandes e formam um conjunto de aparência quase rústica, singular em modelos desse porte. Na traseira, lanternas um tanto hiperdimensionadas emolduram a tampa do porta-malas feita em vidro preto - recurso usual em eletrodomésticos, mas que ainda causa estranheza em automóveis.

A versão 1.0 Drive é a mais equipada da linha Mobi e começa em R$ 44.990 na versão manual ou em R$ 47.590 com o câmbio automatizado GSR. Entre os itens de série mais relevantes da versão estão o banco traseiro rebatível com duas posições para o encosto, o comando interno de abertura do porta-malas e da tampa do tanque de combustível, o computador de bordo, o console central com porta-objetos e porta-copos, a direção elétrica com função City, o controle eletrônico da aceleração Drive by Wire, a sinalização de frenagem de emergência ESS, espelho no para-sol do motorista e do passageiro, os faróis com máscara negra, o follow me home, o sistema de partida a frio sem tanque auxiliar de gasolina, o limpador, o lavador e o desembaçador do vidro traseiro, o quadro de instrumentos com conta-giros, a iluminação a leds e o display digital de 3,5 polegadas, os retrovisores externos com comando interno mecânico, os vidros elétricos dianteiros one touch, as travas elétricas nas quatro portas e o volante com regulagem de altura.

Os opcionais são disponibilizados por meio de kits. O Kit Tech custa R$ 4.060 e inclui chave canivete com telecomando para abertura e fechamento das portas e dos vidros, faróis de neblina, alarme antifurto, sensor de estacionamento traseiro, banco do motorista com regulagem de altura, console de teto com espelho auxiliar, personalização interna, rodas de liga leve 5.5 x 14" mais pneus com baixa resistência a rolagem 175/65 R14, retrovisores externos elétricos com sistema Tilt Down mais setas de direção integradas e banco traseiro bipartido. Há também o Kit Connect, que custa R$ 1.650 e incorpora rádio Connect, volante multifuncional, predisposição para rádio, quadro de instrumentos em TFT com computador de bordo A e B.

Dependendo dos kits, o preço do Mobi Drive pode ultrapassar o Argo mais básico - a versão Drive com o mesmo motor 1.0 Firefly -, que começa em R$ 51.490. Cabe ao Argo o lugar de automóvel mais vendido da Fiat, com 23.076 unidades emplacadas no primeiro quadrimestre de 2019, média de 5.769 emplacamentos mensais. (por Luiz Humberto Monteiro Pereira/Agência AutoMotrix)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CASOS EM ALTA

Dengue: grávidas e bebês podem usar repelentes?

Na busca por proteção, a procura por repelentes aumentou nas farmácias de todo o País; dermatologista orienta sobre o uso

DRAMA ALVINEGRO

Corinthians perde para a Ponte Preta em Itaquera e vê vaga se distanciar

Iago Dias abriu o placar aos cinco minutos para a Ponte Preta; Corinthians finaliza 26 vezes, mas não consegue balançar as redes

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter