Publicidade

X

VEM DA CHINA

Ford Territory 2024 chega por R$ 209.990

Melhor em todos os aspectos, Ford Territory 2024 tem o custo/benefício como um dos principais atrativos

Luiz Humberto Monteiro Pereira - AutoMotrix

Publicado em 01/09/2023 às 08:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O SUV da Ford vem somente na versão "top" Titanium, sem opcionais / Luiz Humberto Monteiro Pereira / AutoMotrix

Em janeiro de 2021, quando a Ford fechou as fábricas de Taubaté (SP) e Camaçari (BA), encerrou a produção dos compactos nacionais Ka, EcoSport e passou a comercializar só importados, o recém-lançado Territory ganhou um súbito protagonismo nas concessionárias da marca. O utilitário esportivo médio importado da China, que havia sido apresentado no Brasil cinco meses antes, passou a dividir as vitrines da Ford apenas com a picape argentina Ranger e com o cupê esportivo norte-americano Mustang. Criticada pela decisão de fechar suas fábricas no Brasil depois de mais de um século produzindo no país, a subsidiária brasileira da Ford voltou a dar lucro em 2022, algo que já não conseguia desde o século passado. É nesse ambiente mais tranquilo e com um line-up mais amplo – agora inclui ainda o utilitário esportivo médio Bronco Sport (lançado em 2021) e a picape intermediária Maverick (em 2022), ambos importados do México, e o furgão Transit, vindo do Uruguai desde 2021 –, que a Ford traz ao Brasil o novo Territory. 

Um dos destaques do SUV médio, que continua a ser importado da China e é comercializado em mais de 60 mercados globais, é o preço de R$ 209.990 – o modelo vem somente na versão “top” Titanium, sem opcionais. Uma faixa abaixo dos principais concorrentes apontados pela Ford – os Jeep Compass Série S, que parte de R$ 237.190, e Commander Limited, de R$ 249.190. O preço é inclusive inferior ao da geração anterior do Territory, recentemente oferecida por R$ 219.390 – com o lançamento da nova geração, os exemplares remanescentes da antiga merecerão descontos expressivos.

Leia Também

• Ford apresenta a primeira picape híbrida do Brasil

• Conheça o GTD 2025, o Mustang de rua mais potente da Ford

E o otimismo da marca norte-americana encontra motivações no produto. Comercializado na China como Equator Sport e desenvolvido junto com a chinesa JMC, o novo Territory é, literalmente, outro veículo – o modelo anterior era uma adaptação do Yusheng S330, também de origem JMC. Na linha Ford, o Territory fica posicionado abaixo do Bronco Sport, que parte de R$ 272.790. O modelo cresceu em relação ao anterior – está com 4,63 metros de comprimento (cinco centímetros a mais), 1,70 metro de altura (três centímetros a mais) e com um entre-eixos de 2,72 metros (um centímetro maior), mantendo a largura de 1,93 metro. Em termos de comprimento e entre-eixos, o Territory já posiciona-se entre os maiores do segmento. O Compass, SUV médio mais vendido do país, com seus 4,40 metros de comprimento, é 23 centímetros mais curto que o SUV chinês, e o Commander, com seus 4,77 metros, é 14 centímetros mais longo. Já na altura e na largura, o novato é maior que Compass e Commander. O porta-malas do Territory também cresceu em relação ao modelo antigo, de 420 para 448 litros, com abertura e fechamento elétricos.

Esteticamente, o novo Territory se aproxima mais da atual identidade global da marca. A grade é larga e o esquema de faróis é dividido em dois, com “day light” com uma nova assinatura em leds, assim como o conjunto óptico. A traseira tem lanternas horizontais finas na horizontal. A quantidade de cromados foi reduzida, algo que ajuda a reforçar a elegância do conjunto. As rodas aro 19 calçam pneus 235/50. O modelo é oferecido nas cores Azul Metálico, Cinza Catar, Branco Bariloche, Marrom Roma, Preto Toronto e Vermelho Vermont (a do modelo testado), sem interferência no preço. No interior, o painel de instrumentos digital tem 12,3 polegadas, com o multimídia do mesmo tamanho. Há Android Auto e Apple CarPlay sem fio, seis airbags, controle de cruzeiro adaptativo com Stop & Go, monitor de ponto cego, freio de estacionamento eletrônico, controles de estabilidade e tração AdvanceTrac, assistente de partida em rampa e de permanência em faixa, câmera 360 graus, sensores de estacionamento e frenagem autônoma de emergência com alerta de iminente colisão frontal.

Se na aparência e nos equipamentos o novo Territory impressiona, a motorização também evoluiu. O motor do Territory 2024 permanece sendo o 1.5 turbo a gasolina EcoBoost, mas passou a trabalhar com ciclo Otto em lugar do ciclo Miller do modelo anterior e foi totalmente recalibrado. Ganhou potência e torque – saiu dos 150 cavalos e 22,9 kgfm da geração anterior para 169 cavalos e 25,5 kgfm na atual. E a antiga transmissão CVT com 8 marchas simuladas dá lugar a uma caixa automatizada de dupla embreagem e 7 marchas.

Devido ao preço mais baixo e à evolução do produto em todos os aspectos, o custo/benefício é a base para que a Ford tenha boas expectativas em relação ao novo Territory. Nem nos tempos em que dividia as vitrines da marca apenas com a Ranger e o Mustang a geração anterior do Territory chegou a vender muito. Foram 1.512 emplacamentos nos cinco meses de oferta em 2020, 2.232 em 2021, 976 em 2022 e apenas 635 nos sete primeiros meses de 2023. Agora, como de hábito, a Ford não adianta suas projeções de vendas para o novo Territory. Obviamente, não imagina chegar à média mensal atual de 5 mil emplacamentos do líder do segmento, o Compass – mas, com justificável convicção, pretende ir muito além das 148 unidades mensais obtidas pela geração anterior.

Experiência a bordo
Patamar acima

Dentro do Territory 2024, as boas tradições dos interiores da Ford estão dignamente representadas. Além de bonito, o utilitário esportivo médio tem um ambiente tecnológico e revela um padrão de acabamento e montagem aprimorado em relação ao modelo anterior, que já era bom. A marca afirma que o novo utilitário esportivo é líder em espaço interno e em conforto para os passageiros. De fato, a percepção de espaço é boa em qualquer dos assentos, notadamente nos traseiros. Os bancos dianteiros são ventilados e têm ajustes elétricos (dez posições para o motorista e quatro para o carona). O teto solar panorâmico elétrico de série aumenta a sensação de amplitude a bordo.

Conectividade é um tema valorizado pelos consumidores de SUVs médios –, e o Territory não poderia fazer feio nesse aspecto. Sua central multimídia Sync tem tela de 12,3 polegadas, modos de exibição personalizados e conexão sem fio com Apple CarPlay e Android Auto. Há carregador sem fio para celular no console. O painel de instrumentos digital personalizável também tem 12,3 polegadas e está reunido em uma moldura única com o multimídia, dando a impressão de formarem uma tela só.

Primeiras impressões
Imponência dinâmica

Itu/SP - Impressionar o consumidor brasileiro e fazê-lo esquecer dos antigos preconceitos contra os automóveis “made in China” é o desafio do Territory. Tal prevenção parece anacrônica em tempos em que a China tornou-se a principal referência no segmento mais dinâmico e tecnológico da indústria automotiva mundial – o dos carros elétricos. Na produção de automóveis, os chineses seguem a mesma lógica de aprimoramento contínuo e importação de talentos e ideias de outros lugares, aplicada há décadas nos setores de eletroeletrônicos e de telecomunicações – onde o país asiático assumiu a liderança dos mercados. Desenvolvido em parceria global, que incluiu a Engenharia da Ford América do Sul, o novo Territory se revela um belo produto automotivo, que nada fica a dever aos concorrentes, tanto os fabricados no Brasil quanto os importados.

Para “acordar” o motor turbinado 1.5 EcoBoost a gasolina do Territory, basta acionar o botão de partida, que felizmente agora fica à direita do motorista. Enquanto o motor da geração anterior – com potência de 150 cavalos e torque de 22,9 kgfm – era mais focado na eficiência energética do que na esportividade, no modelo novo a conversa é outra. Os atuais 169 cavalos a 5.500 rpm e 25,5 kgfm de 1.500 a 3.500 rpm dão conta de mover os 2.025 quilos do SUV médio com performances mais dinâmicas e instigantes. A aceleração de zero a 100 km/h, conforme a Ford, pode ser feita em 10,3 segundos. O “turbo lag” que caracterizava o modelo anterior praticamente sumiu. As respostas ao acelerador estão bem mais espertas, com o “auxílio luxuoso” da transmissão automática DCT de 7 velocidades, com dupla embreagem banhada a óleo, que substituiu a automática CVT com 8 marchas simuladas do modelo anterior. O comando do câmbio é rotativo, as trocas automáticas são extremamente suaves e as mudanças sequenciais no volante e os modos de direção “Normal”, “Eco”, “Serra/Colina” e “Sport” podem adequar as respostas às diferentes demandas. O conjunto suspensivo oferece boa absorção das imperfeições do asfalto. Segundo a Ford, o consumo fica em 9,5 km/l na cidade e 11,8 km/l na estrada. O silêncio a bordo, que já era um ponto forte do Territory, foi aprimorado. Se no asfalto o comportamento agrada, arriscar nas trilhas pode não ser tão recomendável, pois o Territory não tem opção 4x4 – a tração é apenas dianteira.

Ficha Técnica
Ford Territory Titanium

Motor: 1,5 litro turbo EcoBoost a gasolina, com 4 cilindros, 16 válvulas e injeção direta de combustível
Potência: 169 cavalos 5.500 rpm
Torque: 25,5 kgfm de 1.500 a 3.500 rpm
Transmissão: DCT (dupla embreagem banhada a óleo)
Câmbio: automático de 7 velocidades
Tração: dianteira
Carroceria: utilitário esportivo médio de 4 portas para 5 passageiros
Dimensões: 4,63 metros de comprimento, 1,70 metro de altura, 1,93 metro de largura (com espelhos, 2,17 metros) e 2,72 metros de entre-eixos
Peso: 2.025 quilos
Capacidade do porta-malas: 448 litros / 1.422 com o banco traseiro rebatido
Pneus: 235/50R19
Capacidade do tanque de combustível: 60 litros
Preço: R$ 209.990, qualquer que seja a cor. Não há opcionais.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CASOS EM ALTA

Dengue: grávidas e bebês podem usar repelentes?

Na busca por proteção, a procura por repelentes aumentou nas farmácias de todo o País; dermatologista orienta sobre o uso

DRAMA ALVINEGRO

Corinthians perde para a Ponte Preta em Itaquera e vê vaga se distanciar

Iago Dias abriu o placar aos cinco minutos para a Ponte Preta; Corinthians finaliza 26 vezes, mas não consegue balançar as redes

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter