últimas notícias
Incoerências no currículo de Carlos Alberto Decotelli foram reveladas nos últimos dias e teriam sido a gota d'água
Incoerências no currículo de Carlos Alberto Decotelli foram reveladas nos últimos dias e teriam sido a gota d'água
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Ministro da Educação

O Guri do Planalto informa tudo que acontece Direto de Brasília

O presidente Jair Bolsonaro ficou extremamente irritado com toda a polêmica acerca do currículo do agora ex-ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, que culminou com sua saída. Bolsonaro inclusive ameaçou demitir um dos seus auxiliares mais próximos, da ala militar, que havia bancado a indicação de Decotelli. Em tom provocativo alguns parlamentares brincaram: “Decotelli já fez mais que o Weintraub pela educação no Brasil, nesse curto tempo em que esteve à frente do Ministério”.

Fake news.
O polêmico projeto sobre as “fake news” foi votado e aprovado no Senado Federal na última terça-feira, após uma queda de braço entre alguns líderes que não queriam pautar o projeto durante a pandemia e o presidente do Senado Davi Alcolumbre. O texto foi aprovado com 44 votos favoráveis ao projeto, 32 contrários e duas abstenções.

Senadores paulistas.
Em São Paulo, o senador José Serra se absteve por engano, mas declarou que votaria a favor do projeto, a senadora Mara Gabrilli está afastada por licença médica e não votou e o senador Major Olimpio votou contrário ao projeto. “Precisamos e devemos combater as fake news, contudo, precisamos conhecer mais sobre esse assunto. O direito à liberdade de expressão, à honra e à privacidade das pessoas precisam ser preservados” resumiu Olimpio pelos motivos que votou contrário ao projeto.

Eleições 2020.
Foi promulgada na última quinta-feira em sessão do Congresso Nacional a Emenda Constitucional que altera as datas das eleições municipais neste ano. O primeiro turno deverá acontecer no dia 15 de novembro e nas cidades com segundo turno, ocorrerá em 29 de novembro.

Irritados.
Muitos parlamentares, até mesmo os da base do Governo se mostraram indignados pela “atitude sem noção” (como eles classificaram) do presidente Bolsonaro ao vetar os trechos da lei que obriga o uso de máscaras no País.

Vetos presidenciais.
Os trechos retirados obrigavam o poder público a fornecer máscaras à população vulnerável economicamente e desobrigavam o uso em loja, escola e igreja. Parlamentares paulistas, na sua maioria, acenaram desapontamento e prometem derrubar o veto de Bolsonaro.

Corre-Corre.
No mesmo instante em que a Polícia Federal cumpria mandado de busca na casa de José Serra, nesta sexta-feira, um clima de tensão tomou o gabinete dele no Senado Federal. Um entra e sai de pessoas foi notado pelos gabinetes vizinhos. A Lava Jato denuncia o ex-governador de São Paulo por lavagem de dinheiro.

"Garantimos por mais 2 meses o pagamento do auxílio emergencial. A prorrogação demonstra compreensão do que significa o processo de investimento na área social para reduzir desigualdades no Brasil"
Dep. Federal e Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/SP) comemorando a prorrogação do auxílio.

Comentários

Tops da Gazeta