Publicidade

X

Brasil

May pede adiamento do brexit para 30 de junho

União Europeia. O conselho reúne presidentes e premiês do bloco, que se encontrarão na quarta (10)

Bruno Hoffmann

Publicado em 06/04/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, fez pedido na sexta-feira ao Conselho Europeu / /MATT DUNHAM/ASSOCIATED PRESS

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, pediu na sexta-feira ao Conselho Europeu o adiamento do Dia D do brexit, a saída britânica da União Europeia (UE), para 30 de junho. Pelos termos atuais, o desligamento deveria acontecer já na sexta que vem (12).

O conselho reúne presidentes e premiês do bloco, que se encontrarão na quarta (10) para uma cúpula de emergência convocada pelo chefe do colegiado,
Donald Tusk. Segundo o jornal inglês "The Guardian," Tusk deve apresentar aos membros do grupo uma proposta de "adiamento flexível", que daria a Londres até um ano (ou seja, até 10 de abril de 2020) para resolver o impasse atual em torno da aprovação do acordo de
separação.

Por esse plano, a extensão deixaria de valer assim que o Parlamento britânico ratificasse o pacto.

O desenho feito por Tusk traz, porém, um componente que deve contrariar May: a obrigatoriedade de que o Reino Unido participe das eleições para o Parlamento Europeu a serem realizadas no fim de maio e de que envie representantes para a nova legislatura, que começa em julho.

Os deputados europeus britânicos perderiam seus mandatos assim que seu país deixasse a UE.

A ideia de May é justamente evitar esse desgaste. Ela afirma que o Reino Unido se prepara para participar da eleição europeia, mas sublinha que o seu intento é consolidar o processo de desligamento do bloco antes do fim de maio, para não ter de realizar o pleito de fato.

Ocorre que Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia (braço executivo da UE), disse nesta semana que o bloco não aceitaria outro adiamento curto do prazo-limite para o brexit.

Originalmente, os britânicos deveriam ter se retirado da UE em 29 de março. Como o Parlamento em Londres vinha rejeitando o acordo de saída repetidamente (foram três "nãos" até agora), May pediu em março uma primeira
prorrogação. Tusk e o Conselho Europeu então deram ao governo até 29 de março passado para resolver a situação e obter um sinal verde dos deputados; se essa data fosse respeitada, o Reino Unido poderia permanecer no consórcio até 22 de maio, véspera do começo das eleições europeias (que duram vários dias).

Não foi o que aconteceu. Assim, 12 de abril passou a ser o novo Dia D. May precisaria indicar aos europeus um novo plano de ação. Se ele fosse rejeitado, Londres daria adeus à Europa de forma litigiosa, sem acordo e sem período de transição para as duas partes se adaptarem ao novo status. A carta enviada nesta sexta a Tusk busca evitar esse abismo.

Enquanto isso, a primeira- ministra conduz uma rodada de conversas com o líder da oposição, Jeremy Corbyn (Partido Trabalhista), para tentar chegar a um meio-termo que facilite a aprovação do acordo de separação pelo Legislativo.

De acordo com o "Guardian", ela estaria disposta até a ceder a uma reivindicação de uma ala da oposição, que deseja submeter a uma nova consulta popular todo e qualquer endosso do Parlamento ao pacto de saída da UE. Tal cenário era até aqui anátema para May. (FP)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CASOS EM ALTA

Dengue: grávidas e bebês podem usar repelentes?

Na busca por proteção, a procura por repelentes aumentou nas farmácias de todo o País; dermatologista orienta sobre o uso

DRAMA ALVINEGRO

Corinthians perde para a Ponte Preta em Itaquera e vê vaga se distanciar

Iago Dias abriu o placar aos cinco minutos para a Ponte Preta; Corinthians finaliza 26 vezes, mas não consegue balançar as redes

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter