últimas notícias
Usuário destrava bicicleta da Yellow com o seu celular na avenida  Brigadeiro Faria Lima na esquina com a avenida Rebouças
Usuário destrava bicicleta da Yellow com o seu celular na avenida Brigadeiro Faria Lima na esquina com a avenida Rebouças
Foto: Thiago Neme/Gazeta de S.Paulo

Yellow se populariza em SP e quer conquistar América Latina

CRIADA EM SP. Empresa de bicicletas compartilhadas pretende chegar a cinco capitais latino-americanas

A Yellow começou a operar na cidade de São Paulo em agosto de 2018. Hoje, seis meses depois, as bicicletas amarelas compartilhadas e sem estação de entrega parecem onipresentes nas ruas e ciclovias de parte dos bairros do centro expandido da Capital, com mais de um milhão de corridas e mais de cinco milhões de quilômetros percorridos pelos usuários. Agora, a empresa pretende realizar voos maiores. No fim de janeiro foi anunciada a fusão da Yellow com a mexicana Grin, especializada em compartilhamento de patinetes elétricos, criando a companhia Grow. A intenção da parceria é a de dominar o mercado das principais capitais da América Latina.

O trunfo em relação às concorrentes é o fato de o usuário poder deixar a bicicleta em qualquer lugar - dentro de um perímetro determinado. Uma parte negativa é que o serviço ainda não cobre a maior parte da cidade. A área de operação se restringe aos bairros mais próximos da Marginal do Pinheiros. As zonas norte e leste, por exemplo, estão totalmente fora da atuação da Yellow. Fato que a empresa pretende corrigir gradativamente nos próximos meses.

"Sempre há a intenção de ampliar a área de atuação nas cidades em que opera e de oferecer aos usuários outros modais", explica a empresa, em nota. Ainda de acordo com a nota, o objetivo dos serviços foi o de revolucionar o transporte nas ruas de São Paulo por meio de oferecimento de alternativas de transporte, "principalmente para as chamadas 'primeira e última milha' das viagens urbanas" e melhorar a circulação das pessoas nos centros urbanos. Não é divulgado quantas bicicletas e patinetes estão disponíveis em São Paulo.

A operação já se expandiu para outras seis cidades brasileiras: Belo Horizonte, Curitiba, Recife, Vitória, Campinas (SP) e Ilhabela (SP). Em breve deve chegar ainda a Porto Alegre e a Vila Velha (ES). A partir da parceria com a Grin, serão incluídos também cinco metrópoles da América Latina: Buenos Aires (Argentina), Bogotá (Colômbia), Santiago (Chile), Montevidéu (Uruguai) e Cidade do México (México).

"Juntas, as companhias Yellow e Grin contam atualmente com mais de 135 mil patinetes e bikes em sete países, já realizaram 2,7 milhões de viagens em apenas seis meses e contam com 1,1 mil funcionários. O plano de curto prazo é mais do que dobrar sua frota".

Dessa forma, nos próximos meses as bicicletas amarelas - ou de outra cor, dependendo de possíveis alterações realizadas pela fusão - devem estar cada vez mais presente em São Paulo. E na América Latina. (Bruno Hoffmann)

Tops da Gazeta