últimas notícias
Governador também reconheceu que Lula terá 'uma voz significativa' nas eleições presidenciais de 2022
Governador também reconheceu que Lula terá 'uma voz significativa' nas eleições presidenciais de 2022
Foto: CLEBER MATA/SECOM

Doria defende chapa Covas-Joice

Governador quer que Joice seja vice do atual prefeito em busca da reeleição em 2020: 'Brilhante deputada'

O governador João Doria (PSDB) defendeu explicitamente a composição de uma chapa em que a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) seja candidata a vice do prefeito paulistano Bruno Covas (PSDB), que buscará a reeleição em 2020.

Ele também situa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), recentemente libertado da prisão, como ator central no pleito municipal do ano que vem.

Sobre a chapa Covas-Joice, Doria foi claro. "Por que não? O Bruno será reeleito. A Joice é uma brilhante deputada, pessoa com boa formação e com quem tenho uma relação de muitos anos".

Depois, ele repetiu o bordão segundo o qual "quanto mais próxima estiver do Bruno, mais felizes ficaremos", completando com uma avaliação: "E acredito que os eleitores, porque ela complementa bem o perfil do Bruno", disse.

Com isso, o governador paulista consolida o que vinha insinuando desde que o PSL implodiu, dando origem a um novo partido que está sendo montado pelo presidente Jair Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil.

Joice vinha se colocando como a candidata de Bolsonaro à prefeitura, mas acabou rompida com o presidente e seus filhos - que estão de saída do PSL. Com isso, perdeu seu principal ativo, caso siga na agremiação.

A deputada é uma aliada de Doria, de quem crescentemente passa a depender como padrinho. Conhecida pelo estilo intempestivo, Joice segue dizendo que é candidata, mas o rebaixamento da pretensão parece ser um caminho natural.

Embora não tenha elaborado, o governador falou em complementariedade de estilos porque o prefeito e a deputada são bastante diferentes. O tucano é mais comedido, introspectivo, enquanto Joice é extrovertida e busca sempre enfrentamento.

"Não quero aqui antecipar o processo, temos tempo, é uma definição para abril do ano que vem. Mas se isso avançar [a chapa Covas-Joice], terá os bons olhos do governador de São Paulo", disse o governador.

Doria voltou a negar que haja qualquer plano B no PSDB para a eventualidade de o tratamento de um câncer no trato digestivo impossibilitar a tentativa de reeleição de Covas.

LULA

A eleição paulistana é essencial para o plano não-declarado de Doria de tentar a presidência em 2022, dado o peso político e eleitoral da Capital.

Hoje, Doria desponta como presidenciável do chamado centro, que na realidade é mais uma centro-direita. Mais à esquerda no espectro surge o apresentador global Luciano Huck, enquanto mais à direita estão o presidente Bolsonaro e o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC).

A esquerda ainda não tem nomes certos, embora Ciro Gomes (PDT) busque espaço para voltar à disputa e o

ex-prefeito paulistano Fernando Haddad possa ser novamente o nome de um hoje inelegível Lula, como em 2018 - quando perdeu o segundo turno para Bolsonaro.

Acerca do papel do ex-presidente na eleição, o tucano fez uma análise fria, distante da agressividade antipetista que costuma acompanhar suas falas sobre o petista.

"Haverá impacto. A voz do Lula é uma voz significativa, ele é um líder, está aglutinando os movimentos de esquerda que estavam desaglutinados desde sua prisão. Isso terá um papel expressivo nas eleições municipais", disse.

Tops da Gazeta