últimas notícias
Museu de Arte de São Paulo (Masp), na avenida Paulista, localizado na região central de São Paulo
Museu de Arte de São Paulo (Masp), na avenida Paulista, localizado na região central de São Paulo
Foto: Eduardo Ortega

Turismo da Capital tem quedas contínuas e segue longe da retomada, diz estudo

De acordo com estudo da FecomercioSP e da SPTuris, turismo de SP ainda não cresceu em 2021 e se aproxima dos piores momentos do ano passado

O turismo da cidade de São Paulo segue altamente impactado pela pandemia da Covid-19, com quedas contínuas no faturamento, nos empregos e no movimento de passageiros nos principais terminais. De acordo com o Índice Mensal de Atividade do Turismo (Imat-SP), elaborado pela FecomercioSP e pelo Observatório de Turismo e Eventos da SPTuris, o mês de abril apresentou queda de 6,3% em relação a março.

“Os números sustentam uma realidade turbulenta: beirando os piores momentos de 2020, o turismo da cidade de São Paulo ainda não cresceu em 2021”, explica o estudo comandado pelas duas entidades.

A maior retração do indicador veio do faturamento dos agentes do setor, que foi de 17,4% em abril (número-índice de 20,5). Depois, o pior resultado foi da movimentação de aeroportos, que caiu 15,1% em comparação a março (21,8). Já as chegadas em rodoviárias caíram 7,6% (23,9).

De acordo com os organizadores do estudo, os números expressam um momento em que a cidade estava sob fortes restrições de circulação impostas pelo Plano São Paulo, do governo estadual. Com isso, o turismo – tão dependente do movimento de pessoas – foi mais impactado. Não à toa, a taxa de ocupação hoteleira na cidade caiu 7,9% no mês.

O melhor momento do turismo paulistano, desde o início da pandemia, foi em dezembro, quando estava com número-índice 58,9. Dali em diante, não parou mais de cair: 58,6 em janeiro deste ano; 50,7 em fevereiro, 41,5 em março e 39,8 agora.

O Imat-SP foi criado pela FecomercioSP e pela SPTuris para ser um termômetro do turismo em São Paulo, levando em consideração tanto as atividades dos empresários do setor quanto dos consumidores. A ideia é que ele seja usado, sobretudo, para que as empresas, que atuam com atividades turísticas na cidade, tenham mais um insumo para elaborar o seu planejamento.

Vacinação
Com um nível de atividade 60% mais baixo do que antes da pandemia, o turismo paulistano aposta suas fichas no avanço da vacinação, para aumentar a demanda de produtos turísticos, como eventos, compras e gastronomia na cidade.

“É significativo como os empresários do setor estão preservando o maior número de empregos possível, vislumbrando o cenário de melhora que se avizinha conforme a imunização avança. Antes, porém, o afrouxamento das medidas de isolamento já deve exercer impacto positivo sobre o setor – que será melhor visualizado nos dados de maio”, explica o estudo da FecomercioSP e da SPTuris.

Metodologia

O indicador é composto por cinco variáveis que têm os mesmos pesos para a criação do índice. São analisadas as movimentações de passageiros dos aeroportos de Congonhas e Guarulhos, assim como dos passageiros das rodoviárias, a taxa média de ocupação hoteleira na cidade, o faturamento do setor do turismo na Capital e o estoque de emprego nas atividades exclusivas do turismo.

O índice tem sua base no número cem, usada como referência de comparação em janeiro de 2020. Ele pode sofrer mudanças mensais por conta dos dados que compõem o cálculo, com a saída de projeções e a entrada de números consolidados na série.

Comentários

Tops da Gazeta