Publicidade

X

FUNDADOR DO NOVO

Amoêdo diz que Brasil viraria 'um regime de exceção' sob Bolsonaro

Para fundador (e ex-integrante) do Novo, eleger Lula foi 'a única forma de evitarmos um golpe que aconteceria com grande chance de sucesso em 2026'

Bruno Hoffmann

Publicado em 10/02/2024 às 15:29

Atualizado em 10/02/2024 às 15:37

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O empresário João Amoêdo / Reprodução

O fundador e ex-integrante do Novo, João Amôedo, usou as redes sociais nesta sexta-feira para voltar a defender o seu voto em Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno das eleições presidenciais de 2022. A fala se deu após a operação da Polícia Federal para apurar organização criminosa que atuou na tentativa de golpe de Estado no Brasil. 

“[Eleger Lula] Era a única forma de evitarmos um golpe que aconteceria com grande chance de sucesso em 2026. O resultado da reeleição de Bolsonaro seria um Supremo totalmente aparelhado, as Forças Armadas devidamente submetidas às suas vontades, onde a realidade seguiria sendo distorcida pela desinformação e a espionagem de adversários políticos chegaria a níveis ainda piores”, escreveu o liberal, pelo X (ex-Twitter).

“Muito provavelmente, começaríamos o ano de 2027 em um regime de exceção sob o comando de Bolsonaro”, continuou.

O ex-presidenciável também afirmou que, agora, é preciso punir com rigor todos os envolvidos na suposta tentativa de golpe, civis e militares. “[Temos que] Virar essa página e iniciar a construção - sem populismo, sem revanchismo, com disposição, com visão de longo prazo e lideranças coerentes - do Brasil que queremos. Estamos atrasados”, completou.

Ex-presidente do Novo, Amoêdo teve sua filiação suspensa pela legenda poucos dias após ter declarado apoio a Lula no segundo turno das eleições de 2022. Desde então o empresário passou a ser crítico constante do partido. Ele não se filiou a nenhuma outra legenda desde então.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CRIMINALIDADE

Polícia Civil fecha empresa que aplicava golpes financeiros no centro de SP

Golpe era através de aplicativos de mensagens; 23 pessoas foram apreendidas na operação

AMARELINHA

Dorival chama são-paulinos e palmeirenses na primeira convocação

Dorival Jr. fez a sua primeira convocação para a seleção brasileira nesta sexta; veja lista

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter