Publicidade

X

Tragédia no litoral norte

A união dos opostos no desastre ambiental paulista

Em um momento de grande comoção nacional e alta cobertura pela imprensa, Lula divide a atenção com Tarcísio

Célio Egidio

Publicado em 24/02/2023 às 11:30

Atualizado em 24/02/2023 às 12:23

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Presidente Lula (PT) e governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos) em encontro no no Teatro Municipal de São Sebastião, atual sede do gabinete de gerenciamento das ações de resgate e salvamento no Litoral Norte / Cris Cunha/Governo de SP

O litoral norte paulista sofreu forte abalo climático no último sábado (18), deixando danos inestimáveis. Uma conjunção de fatores meteorológicos provocou uma chuva torrencial e fortes rajadas de vento, promovendo um desastre sem igual em toda a região - com rodovias interrompidas e várias mortes de moradores e turistas.

O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) foi até o epicentro dos problemas, e lá instalou o seu gabinete. Diante da repercussão, em pleno período carnavalesco, o presidente Lula (PT) foi para o local sinistrado, reunindo-se com prefeitos e com o governador paulista.

Com discurso de união e democracia, propôs que sejam abandonadas as disparidades para um bem maior.

No mesmo palco, Lula divide a atenção com Tarcísio, em momento de grande comoção nacional e alta cobertura pela imprensa, além da repercussão nas redes sociais. Dessa forma houve a união dos opostos no desastre ambiental do litoral paulista.

O discurso foi moldado na cortesia e pragmatismo diante do cataclismo, mas, na verdade, os players estavam com o olhar para 2026. Isso mesmo caro leitor.

Lula, atual presidente, desejará continuar na cadeira ou criar ambiente para um sucessor. E naquele momento estava diante de um grande opositor e não poderia deixá-lo como o condutor das decisões.

Tarcísio quer se tornar um político de expressão, mas com contornos de estadista, diverso de seu mentor Bolsonaro, ex-presidente, e isso dificultará Lula no combate a uma direita, agora, pragmática.

O PT tem nas mãos a caneta e o orçamento, mas muitas adversidades pela frente, como a crise de abastecimento mundial, guerra na Europa e inflação que deixa os juros no andar de cima do acesso ao crédito. Lula veio para São Paulo como pacificador e encontrou um governador receptivo, sem confrontos, mas que pretende uma projeção nacional e fazer sombra ao petismo.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CRIMINALIDADE

Polícia Civil fecha empresa que aplicava golpes financeiros no centro de SP

Golpe era através de aplicativos de mensagens; 23 pessoas foram apreendidas na operação

AMARELINHA

Dorival chama são-paulinos e palmeirenses na primeira convocação

Dorival Jr. fez a sua primeira convocação para a seleção brasileira nesta sexta; veja lista

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter