X

polêmica

Lula e a crise internacional desnecessária

O presidente proferiu palavras inadequadas realizando um paralelo sobre a guerra entre Israel e o grupo guerrilheiro Hamas, com o holocausto judeu na segunda grande guerra

CÉLIO EGIDIO

Publicado em 23/02/2024 às 12:20

Atualizado em 23/02/2024 às 12:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Presidente Luiz Inácio Lula da Sila (PT) foi considerado persona non grata em Israel / Ricardo Stuckert/PR

O presidente Lula (PT), em entrevista coletiva na Somália, proferiu palavras inadequadas realizando um paralelo sobre a guerra entre Israel e o grupo guerrilheiro Hamas, com o holocausto judeu na segunda grande guerra. A viagem era para proporcionar a aproximação do Brasil com países africanos.

Por outro lado, na fala de improviso, Lula tocou em feridas históricas para os judeus. No tocante à extensão da guerra e a crise humanitária que se instalou em Gaza, suas palavras foram necessárias, mas a comparação foi adequada e desnecessária. A polêmica repercutiu bem mais que os conselhos. Seu discurso provocou uma onda de reações e controvérsias em todo o mundo.

O Holocausto foi um dos capítulos mais sombrios da história humana, foi um genocídio sistemático perpetrado pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, resultando na morte de milhões de judeus e outros grupos étnicos. Já o conflito entre o Hamas e Israel é complexo e de longa data, com raízes profundas em questões territoriais, religiosas e geopolíticas.

O Hamas é um grupo islâmico palestino e tem entrado em confronto com Israel por décadas, resultando em ciclos repetidos de violência e tensão na região. Situações com diferenças profundas e sem igual ao nazismo. O primeiro-ministro de Israel manifestou-se imediatamente e uma crise diplomática internacional se estabeleceu. Pedido de esclarecimentos de embaixadores, declaração de “persona non grata” à Lula, sucederam às suas falas.

Na verdade, Lula tenta atacar o bolsonarismo, pois são afetos ao governo de Israel, enquanto a denominada esquerda brasileira, à libertação da Palestina. A disputa interna foi externada internacionalmente. Isso não é bom, pois demonstra um país dividido e não confiável. Até para criticar, o sujeito deve ter cautelas e fineza em suas palavras. Lula esqueceu desse detalhe, agora, Israel pede retratação.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

NESTA TARDE

Tarcísio de Freitas vai anunciar trens da Capital a Santos e ao Vale do Paraíba

Segundo apurado pela Gazeta, anúncios serão sobre a contratação de estudos para dois novos Trens Intercidades, com ligação da Capital a Santos e a São José dos Campos

Transportes

SPTrans abre Licitação para centralizar arrecadação bilionária do Bilhete Único

Empresa busca instituição financeira para gerenciar cerca de R$ 7,2 bilhões arrecadados anualmente com o Bilhete Único

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter