Publicidade

X

Meios de comunicação

'É preciso regular a mídia!'

Nada, ou quase nada, escapa da ação dos sensores a serviço do chefe

Heródoto Barbeiro

Publicado em 14/02/2024 às 18:49

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Nunca o desejo de controlar os meios de comunicação foi tão intenso no Brasil / Valter Campanato/Agência Brasil

Nunca o desejo de controlar os meios de comunicação foi tão intenso no Brasil. Isso não está fora do cenário internacional. Vários países do mundo, dirigidos por líderes autoritários, sejam de direita ou de esquerda, fazem a censura abertamente.

Alegam que é preciso impedir que fake news perturbem a paz social e política do país. Os que insistem em divulgar notícias contrárias ao governo são rotulados como traidores da pátria, agentes estrangeiros infiltrados e, por isso, merecem o maior castigo.

O mais comum é a prisão sem direito à defesa e a saberem exatamente o porquê de estarem sendo mantidos em verdadeiras masmorras. Sofrem torturas psicológicas e físicas. Os locais são insalubres, a alimentação precária e banho de sol só quando é permitido pelo feitor responsável pelo presídio.

Familiares são impedidos de falar livremente com seus parentes. Os advogados são ameaçados e raramente têm acesso aos processos para planejar a defesa de seus clientes. Os defensores dos direitos humanos são rotulados de lesa-pátria.

Bater na porta da Justiça, nem pensar. Os tribunais estão com suas portas abertas, mas os magistrados não ousam peitar o governo autoritário. Ou por receio de represálias, ou porque concordam com as diretrizes do regime. Pesa sobre os críticos do governo a pecha que estão a serviço de potências estrangeiras. E isso é agravado com a guerra que se disputa na Europa e ameaça alcançar outros continentes.

As ideologias totalitárias constroem narrativas de que só elas são capazes de erigir uma sociedade mais justa e conduzir a pátria à glória. Além dos jornalistas, líderes da oposição, os professores também estão sob a mira da censura. Não podem livremente indicar autores que não se afinem com a ideologia do Estado. Renasce o Index Librorum Prohibitorum da Idade Média. Do outro lado, a seção incumbida de fazer a propaganda oficial publica livros aos borbotões e os distribui nas escolas e bibliotecas de todo o país.

O governo não poupa dinheiro para manter a vigilância sobre os veículos de comunicação. Nada, ou quase nada, escapa da ação dos sensores a serviço do chefe. Os jornais são empastelados ou ameaçados e são mais fáceis de controlar. A maior dificuldade é a criatividade popular, plural, capilar e quase impossível de impedir que se espalhe.

Especialmente as músicas de carnaval. Pelo menos 400 músicas são censuradas sob o pretexto  que o conteúdo era contrário aos interesses da pátria. Outra desculpa é que são contra a moral e a sensibilidade social. O Departamento de Imprensa e Propaganda desenvolve o seu trabalho arduamente e não para de censurar, mesmo no auge do governo do ditador Getúlio Vargas em 1942.

O rádio, principal veículo de massa, tem mais de uma centena de programas tirados do ar e paira sobre todos a ameaça de perder a concessão federal. A outra face da censura é a exaltação do chefe do governo, o culto à personalidade inspirado no modelo que Mussolini implantou na Itália.

Não há como resistir à ação do DIP, encarregado de fazer a propaganda do regime autoritário que perdura até 1945. Nem mesmo o Supremo Tribunal Federal pode resistir às imposições do ditador.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter