Publicidade

X

INDÚSTRIA

Fábrica de aviões

A chance de uma indústria deste meio de transporte prosperar é grande, devido ao impacto no mercado

Heródoto Barbeiro

Publicado em 17/10/2023 às 17:05

Atualizado em 17/10/2023 às 19:07

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O jato comercial E 190 E-2 / Embraer / Divulgação

A chance de uma indústria de aviões prosperar é grande. É um sonho de muitos turistas deixar os grandes e perigosos navios e se aventurar no mar. Ninguém esquece a recente tragédia do Titanic, um navio para milhares de passageiros e considerado “infundável”. Só se esqueceram de avisar aos gigantescos blocos de gelo que flutuam no inverno no Atlântico Norte. São icebergs perigosos que ameaçam a navegação entre a Europa e a América do Norte. O nascer do século 20 impulsiona a indústria e novos inventos e produtos são bem-vindos. O capitalismo ingressa na sua fase industrial e as ações das fábricas são cada vez mais comercializadas nas bolsas de valores de Londres, Paris e Nova York. Os produtos manufaturados se espalham pelo mundo e acirram uma competição pelas ofertas mais baratas e a busca de matérias-primas consideradas estratégicas para as potências. A competição reforça o fortalecimento das forças militares nos mares e em terra. Poucos acreditam que um dia um veículo possa voar por seus próprios meios e se tornar uma arma de guerra.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

A elite mundial se acotovela na Cidade Luz. Paris está reconstruída depois da última batalha contra os prussianos e atrai investidores, inventores e aventureiros de toda espécie. Ao lado do glamour dos caríssimos perfumes e lançamentos da moda, inventores, nacionais e estrangeiros, disputam prêmios por seus trabalhos. Está na moda a viagem aérea. Os balões são vistos com frequência sobre os céus da cidade, com apenas o piloto. Festivais são patrocinados para que exibam suas máquinas voadoras e prêmios são oferecidos por suas peripécias. Uma viagem que parta de um campo próximo, circule a torre Eiffel, vale uma bolada de dinheiro. Um estrangeiro se apresenta e consegue tal proeza. Santos Dumont fica ainda mais conhecido da cidade, uma vez que tem oficina, hangar e pista de pouso para testar seus balões. Sua figura ganha destaque com o acidente do balão que pega fogo, o relógio que mandou Cartier amarrar no seu pulso e o chapelão branco. Le bresilien. Rico e inventivo parte para a construção de uma aeronave, movida por um motor e com grandes asas. Voa no Campo de Bagatelle sob o aplauso de uma multidão. Está aberta a oportunidade para uma indústria de avião.

Investidores acreditam na start up que fabrica bicicletas. São as rodas perfeitas para uma aeronave. Todos sabem disso, inclusive os irmãos Wright. Fazem provas com planadores testados na Alemanha. Da fábrica de bykes sai um motor capaz de impulsioná-lo. Os inventores voam em 1903, e se fecham em copas. Os segredos são guardados a sete chaves e os pedidos de patente são imediatos. Há inúmeros exemplos de patentes, como o telégrafo sem fio patenteado por Marconi, considerado o inventor do rádio. O brasileiro Landel de Moura não teve a mesma sorte do italiano com investimentos britânicos. Imbuídos pelo capitalismo, os “brothers” fundam a Wright Company para fabricar e aperfeiçoar o avião. O mercado americano se abre para uma indústria que pode gerar polpudos lucros. Os modelos se sucedem e as vendas batem 120 aparelhos. Enquanto Paris vive os dias de Belle Époque com o crescimento das pesquisas científicas, novas fábricas e busca por novos mercados, os norte-americanos partem da invenção da Wright Company para a abertura de novas empresas de aviação. Essa indústria só se desenvolve no Brasil na segunda metade do século 20.

 

*Heródoto Barbeiro é jornalista da Nova Brasil (89.7), além de autor de vários livros de sucesso, tanto destinados ao ensino de História, como para as áreas de jornalismo, mídia training e budismo. Apresentou o Roda Viva da TV Cultura e o Jornal da CBN. Mestre em História pela USP e inscrito na OAB. Acompanhe-o por seu canal no YouTube “Por dentro da Máquina”.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Mundo

Pesquisa afirma que Trump tem 48% das intenções de voto nos EUA

Os resultados mostram que 48% dos entrevistados afirmaram que votariam em Trump

Esportes

Agora é oficial! Palmeiras recebe documento que garante título mundial

A entidade internacional indicou o título da Copa Rio conquistado em 1951 como a primeira versão do tradicional torneio de clubes

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter