Publicidade

X

GUERRA

'Matem os reféns!'

As reuniões de chefes de Estado terminam com promessas que nunca são cumpridas e arremessadas na conta do inimigo

Heródoto Barbeiro

Publicado em 30/01/2024 às 12:17

Atualizado em 30/01/2024 às 13:01

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Ninguém espera que a guerra dure tanto / Reprodução

Ninguém espera que a guerra dure tanto. Nem os chefes militares, os mais conceituados do mundo. Eles garantem à população que o conflito vai ser decidido em questões de semanas e que a população civil será minimamente afetada. A guerra já é esperada há algum tempo. As negociações de paz não evoluem e nem mesmo a entidade internacional de nações é capaz de impedir o conflito que se avizinha no horizonte. A situação se assemelha a um barril de pólvora que vai sendo cheio através das crises imperialistas e ameaças constantes de parte a parte. Para alguns analistas é uma crônica de uma guerra anunciada, plagiando Gabriel García Márquez. As disputas envolvem territórios, fronteiras, deslocamento de populações, visões ideológicas e religiosas conflitantes. Poucos têm o bom senso e a coragem de dizer que a guerra pode tomar proporções gigantescas e ameaçar o futuro de minorias populacionais. As reuniões de chefes de Estado terminam com promessas que nunca são cumpridas e arremessadas na conta do inimigo.

A estratégia da guerra se apóia nos novos armamentos. Mais letais que a humanidade já havia planejado. Os veículos blindados, canhões e tanques têm velocidade e poder de fogo como nunca se viu. Barragens de artilharia causam a destruição de tudo o que tem pela frente. Prédios e casas são arruinados e a população não tem alternativa senão fugir para onde for possível. Nem todos conseguem. Uma parte fica nos campos de batalha, com tantos cadáveres que é impossível dar um enterro digno à maior parte das vítimas. A aviação é outra conquista tecnológica. Está integrada no bombardeio das áreas urbanas e tem maior precisão e alcance do que os obuses lançados pela artilharia. Os pilotos se esmeram em escolher o local onde deixarão cair suas bombas, haja vista que praticamente não há defesa antiaérea. Não há falta de munição, os paióis estão abarrotados à disposição do que a diplomacia chama de “paz armada”. Mas todos sabem que quando a diplomacia falha, a guerra é inevitável.

A contagem do número de mortos é manipulada de lado a lado. A verdade é a primeira vítima. Os informes militares são editados diariamente não só para intimidar o inimigo, mas também para incentivar as forças nacionais. A realidade se impõe. O conflito se arrasta com a resistência feroz de moradores. O exército do Império Alemão, espalhado pela Bélgica e pela fronteira da França, acalenta a maior vitória da Primeira Guerra Mundial com avanço em direção a Paris. O imperador alemão Kaiser Guilherme II confia na estratégia dos seus generais. Uma guerra rápida não pode ter pena de cidades cercadas. A pequena Louvain, na Bélgica, é sitiada e transformada em base militar alemã. Os moradores resistem de rua em rua, de casa em casa. Vários soldados alemães morrem. O comando militar manda prender os dirigentes da pequena cidade, que se tornam reféns. A resistência belga continua e o comandante manda fuzilar 612 civis reféns. Não satisfeito – e para servir de exemplo – destrói todas as casas e culmina mandando incendiar uma valiosa biblioteca. Nem os livros escaparam da sanha do Império Alemão em agosto de 1914.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter