X

JOGOS DE AZAR

Vermelho vinte e sete!

Os conservadores temem que manter cassinos e outras casas de jogos ameaça a juventude e a família brasileira

Heródoto Barbeiro

Publicado em 06/11/2023 às 16:03

Atualizado em 06/11/2023 às 16:12

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Jogos de azar são ilegais no Brasil / Hush Naidoo Jade Photography/Unsplash

Os conservadores temem que manter cassinos e outras casas de jogos ameaça a juventude e a família brasileira. Associam o jogo à prostituição, ao crime organizado e ao domínio das máfias do jogo. Daí para alcançar os políticos é um passo. Financiamento de campanhas eleitorais, viagens ao exterior para conhecer cassinos em outros países, facilitação de relacionamentos amorosos são as moedas correntes no esforço da liberação de mais um jogo de azar. Afinal, no Brasil, só o Estado pode explorar os jogos de azar e o mais conhecido deles é a loteria. Na informalidade, ou clandestinidade, é o jogo do bicho, que sempre foi aceito como um mal menor graças às pequenas apostas populares e à credibilidade dos bicheiros de responder honestamente aos ganhadores. A ética é tudo no jogo. Ganhou, leva, mesmo que quebre a banca, mas não quebra o negócio da contravenção. Assim como a loteria estatal diz que ampara instituições de benemerência, os banqueiros do jogo fazem o mesmo. E o fazem, patrocinando escolas de samba, especialmente do Rio de Janeiro.

Legalizar ou não legalizar? O lobby favorável é muito poderoso e rico. Alegam que muitos brasileiros milionários viajam para Las Vegas, Mônaco ou Estoril e deixam lá grandes fortunas. Dão emprego aos croupiers e a toda a cadeia de trabalhadores com jogos no exterior e isso poderia ser usufruído aqui. Os remediados, apaixonados pelos cassinos, gastam menos com viagens de avião e buscam os cassinos do Uruguai e Paraguai. Também contribuem para o desfalque da balança comercial do País. Ainda que os valores sejam ridículos comparados com o produto interno bruto brasileiro. Mas, já se disse por aqui, o que vale é a versão do fato e não o fato em si. Reportagens amigas, anúncios pagos, merchandisings feitos por celebridades ilustram o cenário de um país com liberdade de jogo. Afinal, joga quem quer, ninguém é obrigado a jogar! Perder o salário do mês é problema do arriscador e de sua família. E é aí que a oposição também se pega! Deixa de lado a questão econômica e passa para a conduta. Não se confia em um funcionário viciado nas maquininhas dos cassinos.

Ninguém esquece da era de ouro dos cassinos, com seus belíssimos salões apinhados de homens de gravata e paletó e mulheres com seus vestidos maravilhosos. É o local da reunião do que se chama high society. Eles apostam nas roletas e nas cartas de baralho nos mais de 70 cassinos em funcionamento. A maior parte deles na glamorosa capital do país. Deputados, senadores, ministros do Supremo, funcionários do alto escalão, governadores e outros representantes do Estado estão sempre presentes. É o local adequado para os conchavos políticos de toda ordem, do pedido de um emprego público ao financiamento de uma obra de grande porte. Comparado com outras cidades, o Rio de Janeiro é apenas um calouro na exploração dos jogos. Dona Santinha está atenta e pega no pé do marido todos os dias. Carmela Dutra, a primeira dama, é carola e apoiadora da cruzada da Igreja Católica contra o ambiente viciado e de sacanagem dos cassinos. O presidente Dutra, em uma canetada em 1946, para surpresa de todos, fecha as casas de jogos. Há quem diga que além da Santinha, pesa também a lembrança do ditador Vargas, recém deposto. Getúlio adorava um cassino e um charuto.


*Heródoto Barbeiro é jornalista do  R7 e Nova Brasil (89.7), além de autor de vários livros de sucesso, tanto destinados ao ensino de História, como para as áreas de jornalismo, mídia training e budismo. Apresentou o Roda Viva da TV Cultura e o Jornal da CBN. Mestre em História pela USP e inscrito na OAB. Acompanhe-o por seu canal no YouTube “Por dentro da Máquina”, clicando no link https://www.youtube.com/channel/UCAhPaippPycI3E1ZRdLc4sg

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ESPECIAL TURISMO

Ilha do Montão do Trigo: Conheça o paraíso do litoral norte

Localizada em São Sebastião, a ilha tem águas cristalinas, muita natureza e uma história de impressionar; saiba mais

Não perca essa oportunidade

Cidade no interior de SP encerra inscrições de novo concurso nesta sexta

Prefeitura Municipal de Jahu têm processo seletivo têm salários que chegam a R$ 6.008,73

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter