X

PREPARE O BOLSO

Alagamentos no sul podem afetar preços e fornecimento de arroz, trigo e cebola

E essa situação já provoca o racionamento do cereal em supermercados pelo Brasil afora

Nilson Regalado

Publicado em 10/05/2024 às 22:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

E ainda não se sabe ao certo qual a dimensão dos estragos nas lavouras que ainda não tinham sido colhidas / Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Maior produtor de arroz do Brasil, o Rio Grande do Sul ainda não tinha colhido 100% da safra anual do cereal. E ainda não se sabe ao certo qual a dimensão dos estragos nas lavouras que ainda não tinham sido colhidas. Também há prejuízos certos em armazéns tomados pela água onde o cereal já colhido aguardava o transporte para outras partes do País. E essa situação já provoca o racionamento do cereal em supermercados pelo Brasil afora. A ideia desses comerciantes é evitar o desabastecimento completo nas próximas semanas a partir de um eventual movimento dos consumidores de formação de estoques caseiros de arroz. Afinal, a hipotética importação em larga escala do parceiro do feijão no prato dos brasileiros demandaria semanas no trajeto desde a Ásia, maior produtora e exportadora do cereal no Planeta.

Siga a Gazeta nas redes sociais e mantenha-se bem informado!

Atualmente, o Brasil também não tem plantações de cebola em fase de colheita plena. Logo, os bulbos que abastecem o mercado doméstico têm vindo do exterior, especialmente da Argentina. E, com as pontes e estradas do Rio Grande do Sul destruídas pela enxurrada ou interrompidas por barreiras, o escoamento dos produtos argentinos torna-se um desafio, o que poderá impactar os preços no varejo.

Maior produtor de trigo do País, o estado gaúcho começaria a semear a próxima safra nas próximas semanas. E os estragos na infraestrutura do Estado podem dificultar o acesso a insumos básicos, como fertilizantes e sementes. Lavouras eventualmente já plantadas podem ter sido perdidas. Portanto, como o Brasil não é totalmente autossuficiente no trigo e ainda depende das importações, é torcer para que o dólar se mantenha em níveis civilizados nos próximos 12 meses, caso contrário...

Siga as notícias da Gazeta de S.Paulo no Google Notícias

Bilhões para...

Relatório da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) divulgado na última segunda-feira revelou que os investimentos em tecnologias para energia limpa somaram US$ 200 bilhões em 2023. Isso representou um salto de mais de 70% em relação a 2022. Esse montante inclui energias solar e eólica, carros elétricos e baterias.

...investimento em...

Mas, o destaque foram os investimentos na fabricação de sistemas de geração solar fotovoltaica, que atingiram U$ 80 bilhões no ano passado. Esse valor é mais do que o dobro do volume registrado um ano antes. Já a produção de baterias movimentou cerca de US$ 110 bilhões, o que representou um crescimento de 60% em relação a 2022. A China concentra três quartos dos investimentos globais em fabricação de tecnologias limpas.

...tecnologias limpas

Mas, a demanda também está aquecida nos Estados Unidos e na União Europeia, que buscam alternativas aos combustíveis fósseis, como gasolina, diesel, gás e carvão, protagonistas no aquecimento global. Apesar da liderança chinesa, EUA e Europa triplicaram seus investimentos de 2022 para 2023. Juntos, os três concentram 90% dos investimentos globais em energias limpas. Enquanto isso, os investimentos na África, América Central e América do Sul foram “insignificantes” no período, segundo a IEA.

Peixes em oferta

Maio é o auge das capturas de meca, a chamada ‘picanha do mar’. O mês também costuma ser de fartura na pesca de namorado, peixe apreciado na gastronomia pela baixa quantidade de espinha. Outro que está no auge das capturas ao longo deste mês é o porquinho. Portanto, nas próximas semanas as três espécies devem apresentar preços mais atrativos para o consumidor que em outras épocas do ano.

Ofertas na feira

Abacate fortuna, banana nanica, caqui rama forte, laranja lima, limão taiti, mexerica rio, tangerinas ponkan e cravo, abóboras moranga e paulista, batata-doce rosada, berinjela, mandioca, pepinos caipira e comum, almeirão pão de açúcar, cogumelo hiratake, escarola, milho verde, moyashi, manjericão e pinhão fecham a semana com preços em queda na Ceagesp, a maior central atacadista de alimentos in natura da América do Sul.

Filosofia do campo:

“Os seringueiros, os índios, os ribeirinhos há mais de 100 anos ocupam a floresta. Nunca a ameaçaram. Quem a ameaça são os projetos agropecuários, os grandes madeireiros e as hidrelétricas com suas inundações criminosas”, Chico Mendes (1944/1988), ambientalista acreano.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saidinhas

Congresso rejeita veto de Lula e proíbe 'saidinhas' de presos

Lula tentou manter uma lista mais ampla de possibilidades para as saídas temporárias

Fake Agents

Jogador Paolo Guerrero leva golpe de R$ 2 milhões e PF investiga

Paolo Guerrero, ex-jogador do Corinthians, foi vítima em 2022 de um esquema que fraudava saques

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter