X

PREPARE O BOLSO

Aves e peixes vão suprir queda na produção de carnes em 2023. Preços seguirão altos...

Associação Brasileira de Proteína Animal projeta que a produção de suínos terá alta de 4% e a de frango subirá para 14,7 milhões de toneladas

Nilson Regalado

Publicado em 13/01/2023 às 18:09

Atualizado em 13/01/2023 às 18:14

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Aves e peixes vão suprir a queda da carne / Claudio Schwarz/Unsplash

Líder mundial em financiamento para o agro, o Rabobank projeta um 2023 difícil para o setor de proteína animal. Presente em mais de 40 países, o banco holandês prevê custos de produção elevados devido a crises geopolíticas não resolvidas em 2022, como a Guerra da Ucrânia. Diante deste cenário, o Global Animal Protein Outlook 2023 sugere que o preço das carnes permanecerá elevado. Divulgado em dezembro, o documento alerta para a migração do consumidor para itens mais baratos e de conveniência, como os empanados.

Fundada em 1898, o banco projeta redução na oferta global de carne bovina devido à seca prolongada nos Estados Unidos. O banco também cita o enfraquecimento do mercado de suínos na Europa. Porém, o Rabobank prevê crescimento moderado na oferta global de proteína, garantido pela produção de aves e de frutos do mar em cativeiro.

Aqui, a Associação Brasileira de Proteína Animal projeta que a produção de suínos terá alta de 4% e a de frango subirá para 14,7 milhões de toneladas, acima dos 14,5 milhões de 2022. Mas, a ABPA admite que o consumidor continuará pagando caro pelas carnes devido ao custo elevado de soja e milho, principais matérias-primas das rações.

Outro motivo são os embarques para mais de 150 países, que devem bater recorde. Em 2023, o Brasil deverá exportar 5,2 milhões de toneladas de carne de frango, 8,5% a mais que em 2022, o que manterá o País na liderança mundial na exportação dessa proteína. Já as vendas externas de carne suína devem subir para 1,25 milhão de toneladas, 12% acima do volume de 2022.

Mudança climática...

As mudanças climáticas estão afetando as castanheiras na Amazônia. Uma pesquisa publicada em dezembro mostrou que o aumento da temperatura e a redução da umidade provocados pelo El Niño podem reduzir em até oito vezes a produção de castanha-do-pará. O estudo foi conduzido entre 2015 e 2017, no sul do Amapá.

...provoca prejuízo...

O El Niño ocorre quando as águas do Oceano Pacífico se aquecem, influenciando o clima de várias regiões do mundo. Em 2015 e 2016, esse fenômeno foi o mais intenso dos últimos 50 anos e elevou em 2,1°C a temperatura da Amazônia.

...milionário na Amazônia

A quebra na produção aumentou o preço da castanha em 140% e provocou invasões na floresta. A castanheira é manejada pelos povos ameríndios desde antes da invasão europeia. O Brasil é o maior produtor mundial de castanha-do-pará e exporta 90% do que produz. Só em 2015, o fruto rendeu US$ 41 milhões em exportações, segundo a Universidade Federal do Paraná.

Extinção no mar...

Três instituições de defesa ambiental entraram com ação no Tribunal de Comércio Internacional exigindo que o Governo dos EUA proíba a importação de produtos de origem animal do México.

...cria impasse nos EUA

O motivo é a incapacidade dos mexicanos de impedir a iminente extinção de uma pequena espécie de boto conhecida como vaquita, da qual restam apenas dez animais. Só em frutos do mar, o prejuízo pode chegar a US$ 600 milhões...

Filosofia do campo:

“Só quando a última árvore for derrubada, o último peixe for morto e o último rio for poluído é que o homem perceberá que não pode comer dinheiro”, provérbio indígena.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Segurança

Marcha para Jesus: PM de São Paulo reforça segurança

A caminhada terá início na Estação Luz do Metrô, às 10h; Durante o evento, policiais à paisana estarão em meio à multidão

TRÂNSITO HIDROVIÁRIO

Balsa de Ilhabela registra mais de 3 horas de fila

Demora se justifica pelo feriado prolongado de Corpus Christi

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter