Publicidade

X

ASTROFÍSICA

Harvard sugere usar poeira da lua para evitar apocalipse climático na Terra

Ideia é criar um escudo capaz de bloquear entre 1% e 2% da energia do sol que incide sobre a Terra

Nilson Regalado

Publicado em 10/02/2023 às 13:41

Atualizado em 10/02/2023 às 13:48

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A partir dessa constatação, os astrônomos e astrofísicos norte-americanos utilizaram as leis da gravidade para projetar o uso da poeira lunar como uma espécie de protetor solar para o Planeta Terra / Reprodução/Site/Harvard University

Com o fracasso evidente dos tratados internacionais que projetavam a redução no uso dos combustíveis fósseis, com a Amazônia em chamas e com o Planeta aquecendo numa velocidade surpreendente, a humanidade caminha a passos largos para o abismo. Diante da nossa incapacidade de cumprir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU, cientistas do Centro de Astrofísica Harvard & Smithsonian publicaram na última quarta-feira um estudo que considera a hipótese de termos de recorrer à poeira da lua para evitar uma catástrofe climática. A ideia é criar um escudo capaz de bloquear entre 1% e 2% da energia do sol que incide sobre a Terra.

E, segundo os pesquisadores, essa solução emergencial para conter secas extremas, enchentes devastadoras e furacões cada vez mais frequentes, teria um “baixo custo”. Essa matemática leva em conta a alternativa de bloqueio parcial dos raios solares em outro ponto na órbita da Terra onde transitam os satélites.

O spray de poeira lunar seguiria a mesma dinâmica observada na formação dos planetas em torno de estrelas distantes. Esse processo forma aneis de poeira astronômica que interceptam natural e parcialmente a luz irradiada pela estrela.

A partir dessa constatação, os astrônomos e astrofísicos norte-americanos utilizaram as leis da gravidade para projetar o uso da poeira lunar como uma espécie de protetor solar para o Planeta Terra.

Formada há 4 bilhões de anos, a poeira lunar seria, portanto, uma solução viável para conter o iminente apocalipse climático alimentado pelo homem em apenas três séculos, desde a Revolução Industrial e suas chaminés e do uso intensivo do petróleo e seus derivados.

Nas últimas décadas, os cientistas já haviam considerado bloquear parte da radiação solar utilizando telas e outros objetos. Porém, o custo elevado da operação inviabilizou essas hipóteses.

Fundada em 1636, Harvard é uma das universidades mais conceituadas do mundo e a Smithsonian Intitution foi criada pelo Governo dos Estados Unidos e é mantida com recursos do tesouro norte-americano A pesquisa com a poeira lunar também contou com astrônomos e astrofísicos da Universidade de Utah e foi publicada na revista científica PLOS Climate.

Preço dos alimentos caiu...

Duas pesquisas divulgadas nesta semana lançam um fio de esperança de que a carestia dos alimentos pode, enfim, estar com os dias contados. Na quarta-feira, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) anunciou que o valor da comida já recuou 17,9% desde o pico da carestia mundial, em março de 2022. Segundo a FAO, os preços cederam graças à retomada das exportações de cereais pela Ucrânia e de óleos vegetais por países asiáticos.

...18% no mundo e...

Aqui, o custo da cesta básica também caiu em janeiro, embora esse efeito ainda seja pouco perceptível em alguns estados. Segundo a Fundação Getúlio Vargas, o valor da cesta composta por 18 itens recuou em sete das oito capitais pesquisadas. Curitiba (-9,1%) e Belo Horizonte (-6,2%) tiveram maior queda nos preços no mês passado.

...começa a cair no Brasil

Dos 18 produtos da cesta, apenas o arroz ficou mais caro em todas as capitais. Mas, o arroz deve ter preços mais suaves a partir de março, quando começa a colheita no Rio Grande do Sul, responsável por 70% da produção brasileira do cereal. O pão foi o item que teve maior redução devido à safra recorde de trigo no Brasil. As maiores quedas aconteceram em Curitiba (-18,2%) e Salvador (-8,7%).

Filosofia do campo:

“Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês”, Mário Quintana (1906/1994), poeta gaúcho.
 

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Estado

Vendaval destrói bananais no Vale e preço da nanica sobe 13% em sete dias

Evento climático destruiu aproximadamente dois mil hectares, especialmente na cidade de Sete Barras

Estado

Nitrato de Amônio é usado na produção de explosivos desde a I Guerra Mundial

Em janeiro de 2023, no total 50,2 mil toneladas de nitrato de amônio foram descarregadas em Santos

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter