Publicidade

X
CARNES E REQUEIJÃO

Idec encontra agrotóxicos cancerígenos em 58% dos alimentos ultraprocessados

Os alimentos com mais resíduos de agrotóxicos foram os empanados de frango Seara e Perdigão, e os requeijões Vigor e Itambé

Publicidade

Frango empanado da Seara e da Perdigão são ós ultraprocessados com mais resíduos de agrotóxicos, de acordo com a Idec. / credito Gbh007

Um estudo divulgado no final de julho pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor revelou que, além do excesso de sódio, os alimentos ultraprocessados também escondem resíduos de agrotóxicos. A pesquisa ‘Tem Veneno Nesse Pacote’ detectou que 58% dos ultraprocessados de origem animal estão contaminados.

Os alimentos com mais resíduos de agrotóxicos foram o Empanado de Frango (nugget) Seara, com cinco agrotóxicos diferentes, o Requeijão Vigor, com quatro venenos agrícolas, o Requeijão Itambé e o Empanado de Frango Perdigão, ambos com três defensivos agropecuários.

O principal veneno detectado foi o glifosato, produzido pela multinacional Monsanto. Apesar de ser proibido em diversos países, o glifosato continua sendo o herbicida mais usado no Brasil.

Ele é produzido pela multinacional Monsanto e é considerado potencialmente cancerígeno pela ONU.  Nas lavouras transgênicas de soja e milho o glifosato é usado em consórcio com plantas adaptadas geneticamente pela Monsanto para resistir aos seus efeitos.

Por outro lado, as bebidas lácteas Nescau, Toddy e Pirakids, e os iogurtes Activia, Nestlé e Danone não apresentaram resíduos de veneno.

Em 2021, a primeira edição da pesquisa já havia comprovado a contaminação de bolachas, biscoitos e refrigerantes por agrotóxicos.

Governo do veneno

Recordista na liberação de novos agrotóxicos, o Governo Bolsonaro acaba de reduzir em 60% o imposto de importação do glifosato. O veneno enfrenta processos judiciais milionários nos EUA por causar diversos tipos de câncer...

A saga dos japoneses...

O Sesc comemora neste final de semana os 100 anos do primeiro engenho de arroz do Brasil. No sábado, os históricos armazéns do Kaigai Kogyu Kabushiki Kaisha, em Registro, no Vale do Ribeira, recebem a oficina ‘Grãos Crioulos na Culinária’. A atividade apresentará a contribuição de indígenas, quilombolas e agricultores familiares na preservação de sementes tradicionais de feijão e de milhos exóticos, como o vermelho, o branco rajado, o roxo e o preto.

...no Ribeira e o...

No domingo, grãos pouco conhecidos, como o arroz vermelho e o cateto, o arroz da terra, o preto e o moti serão apresentados junto com o contexto histórico desse alimento no Ribeira e sua importância econômica, social e cultural.

...melhor arroz do mundo

Patrimônio cultural do Estado desde 1987, o KKKK foi um marco da colonização japonesa e beneficiou o “melhor arroz do mundo”, que era produzido nas várzeas do Rio Ribeira de Iguape. O título foi concedido em 1911, durante a Feira Internacional da Indústria e do Trabalho, na Itália.

Caraguá das belas praias

Caraguatatuba acaba de receber o título de capital paulista da berinjela. Desde 2017 a cidade produz perto de um terço de toda berinjela comercializada na Ceagesp. Só no ano passado, foram 439 toneladas...

Filosofia do campo:

“Caiçara vive de teima, igualzinho banana/A muda na cova, cabeça pra baixo, adubo queimando, sol demais, chuva sobrou/E o broto teimoso levanta a cabeça, fura a terra, vara a chuva, encara o sol, sobe, cacheia, dá fruta/Caiçara vive de teima, moço, igual banana...”, Alzira Pacheco Lomba Kotona, em ‘Vale da Esperança’.
 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

COPA DO MUNDO 2022

Fifa vai antecipar início da Copa do Mundo; veja novas datas

A decisão já foi tomada pela organização internamente e deve ser oficializada nos próximos dias

LEGISLATIVO

Mongaguá fica perto de fixar data para reajuste anual dos vencimentos dos servidores

Legislativo já aprovou, de forma unânime, o projeto de lei 72/2022, de autoria do prefeito municipal

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software