Publicidade

X
COVID-19

Ômicron faz cidade de Amparo, no interior de SP, fechar comércio às 23h

A Cidade é a primeira do estado de São Paulo a retomar medidas restritivas no comércio

Publicidade

Cidade de Amparo, no interior de São Paulo / Prefeitura de Amparo

A cepa ômicron levou a cidade de Amparo, que fica no interior de São Paulo a publicar nesta quinta-feira (6) um decreto proibindo aglomerações e impondo o fechamento de comércios até 23h como medida para o enfrentamento do aumento de casos Covid.

O município é o primeiro do estado a retomar as medidas de restrições após o surgimento da nova variante. As orientações começaram a valer nesta sexta (7) e seguem até o dia 31 de janeiro. 

Em nota, a prefeitura informou que a cidade registrou 194 pessoas de Covid até o meio da tarde desta quinta. O número é 1.112,50% maior de casos do que na semana passada. No boletim do dia, a administração municipal atualizou informando que havia 106 novos casos. 

"O Decreto 6.440 proíbe qualquer atividade que possa acarretar em aglomeração. A realização de festas, eventos e confraternizações, seja em espaço público ou privado de uso coletivo, com ou sem acesso ao público em geral, não poderá acontecer", diz a nota.

A orientação proíbe também aglomerações em residências de pessoas que não pertencem ao núcleo familiar.
A prefeitura vetou o consumo de bebidas alcoólicas após as 23h em via pública. Neste horário, também devem ser encerradas as atividades comerciais com atendimento presencial. 

Caso seja descumprida a ordem, a administração municipal informou que aplicará multa de R$ 1.500 para as pessoas que estejam consumindo bebida alcoólica. Se houver grupo de pessoas, o fornecedor da bebida terá que pagar pena dobrada, de $ 3.000. 

No período, está também proibida a locação de imóveis para temporada, veraneio, eventos e festas. E, caso a determinação seja desrespeitada, haverá multa de R$ 6.000 para o proprietário e R$ 3.000 para o locatário. 

Desde 1º do novembro de 2021 estavam liberadas as restrições da pandemia no estado de São Paulo. Depois de 588 dias, todos os estabelecimentos já poderiam funcionar com capacidade máxima, sem limite de horário ou determinação de espaço. 

Festas, baladas, shows, eventos com torcida estavam autorizados sem qualquer restrição a partir da data. As únicas normas obrigatórias no estado eram o uso de máscara e a exigência do passaporte da vacina em eventos com mais de 500 pessoas. O distanciamento deixou de ser regra e passou a ser apenas uma recomendação das autoridades estaduais. 

Era a primeira vez desde 22 de março de 2020, quando o governador João Doria (PSDB) decretou quarentena no estado para conter a disseminação da Covid, que os estabelecimentos comerciais de todos os tipos poderiam funcionar sem limitações. 

As liberações estabeleceram o fim do Plano São Paulo, que foi instaurado para coordenar a flexibilização das atividades econômicas no estado.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Inclusão

TRF suspende liminar que obrigava IBGE a incluir orientação sexual no Censo

Instituto argumenta que não teria tempo hábil nem orçamento suficiente para fazer o acréscimo das perguntas de forma adequada no levantamento

CPI do MEC

Suspeita de interferência de Bolsonaro aumenta pressão por CPI do MEC

A oposição no Senado ainda tenta engrossar com ao menos mais dois nomes o requerimento para criação de uma CPI do MEC

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software