X

ACUSADO DE DISCRIMINAÇÃO

Não contrato 'preto, gordo, petista, feminista e viado', diz empresário de SP; vídeo

Segundo portal, em um áudio, o dono de um estabelecimento teria dito também que "negros se fazem de vítima"

Joe Silva

Publicado em 10/02/2023 às 16:10

Atualizado em 10/02/2023 às 17:03

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A defesa do empresário diz que a conversa foi retirada de contexto / Reprodução/Redes sociais

Um empresário paulistano está sendo acusado de discriminação porque teria dito em um áudio que não contrata "preto, gordo, petista, feminista e viado". Segundo o portal CNN, a voz que aparece no vídeo abaixo é do cabeleireiro Diego Beserra Ernesto, dono de um salão de beleza no bairro de Perdizes, na zona oeste de São Paulo.

A fala de Diego ocorreu no momento em que ele conversava com um colega de profissão que teria dito a ele que pretendia contratar uma pessoa preta e gorda para trabalhar. De acordo com a defesa de Diego, a conversa foi retirada de contexto.

Dono de salão de beleza em SP diz que não contrata "preto, gordo, petista, feminista e viado". Vídeo: Reprodução/Facebook

 

Sobre negros se fazerem de vítima

Em um dos trechos da gravação, o empresário também afirma que "no caso do preto, alguns se fazem de vítima da sociedade.". A fala parece ser uma referência à intenção do colega em contratar uma pessoa preta para a vaga de trabalho citada.

Mulheres gordas não se cuidam, disse o cabeleireiro

"No caso da mulher tem duas coisas. Gorda e preta. Ela não cuida nem do próprio corpo. Como vai ter responsabilidade na vida?", continua Diego em seu discurso ao tentar justificar a atitude de não contratar pessoas pertencentes a grupos minoritários.

Feminismo

O dono do salão de beleza expõe também sua opinião com relação a mulheres que usam cabelos curtos. "Essa minas que usam cabelo curto é [sic] feminista. A gente não sabe. Eu não sei", continua.

E emenda: "Não ‘tô’ generalizando, dizendo que todas são, mas tem uma grande probabilidade de ser feminista. Feminista é um saco, mano! Você não pode falar nada. Esqueci de falar, mano. Não contrato mais viado. Só se a pessoa estiver mentindo.".

Entenda o caso

O áudio foi enviado por Diego no dia 12 de janeiro a Jeferson Dornelas, que alugava parte do estabelecimento de Diego para atender clientes. Ele conta que já havia observado comportamento estranho no colega, mas nunca de forma tão clara.

A conversa teria começado após Jeferson dizer a Diego que uma auxiliar gorda e preta não iria mais trabalhar no local. “Falei que a moça não iria trabalhar mais [porque] ela recebeu outra proposta. A resposta foi esse áudio”.

O que aconteceu depois

Jeferson afirma que fez um boletim de ocorrência. “Meu psicológico está abaladíssimo. É muito triste ouvir uma coisa dessas”, afirma. Ele diz ainda que foi procurado por Diego pedindo um acordo sobre o caso e dizendo que estaria disposto a uma retratação.

Dois perfis em redes sociais que Diego mantinha, foram desativados após a repercussão do caso.

O que diz a lei

Se a Justiça entender que o episódio configura crime, Diego pode ser detido por pelo menos dois anos, diz a "CNN".

De acordo com a lei que tipifica crimes de discriminação e preconceito de raça, atualizada em 2023, esse caso pode configurar crime por “negar ou obstar emprego em empresa privada”.

A legislação prevê que o juiz do caso deve considerar discriminatória qualquer atitude ou tratamento dado à pessoa ou a grupos minoritários que cause constrangimento, humilhação, vergonha, medo ou exposição indevida, e que usualmente não se dispensaria a outros grupos em razão da cor, etnia, religião ou procedência.

Existe ainda o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a equiparação da homofobia ao crime de racismo. A pena pode variar, segundo o Código Penal, de dois a cinco anos de detenção.

O que diz a defesa

Ainda segundo o portal, a defesa de Diego explicou que os áudios foram retirados de contexto.

Segundo os advogados, na conversa completa, teria sido Jeferson quem falou sobre a aparência e comportamento da profissional. A equipe jurídica diz ainda que nem toda ofensa, mesmo que amoral, configura crime.

No áudio, Diego teria dividido experiências com outros funcionários no passado. Jeferson nega a versão de Diego. A defesa diz ainda que Diego tem sido vítima de incitação ao ódio, calúnia, ameaça e difamação após a divulgação dos áudios.

Um segundo defensor explicou à "CNN" que está apurando o ocorrido e que vai se manifestar após tomar ciência de todo caso.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CRIME DE TRÂNSITO

Motoristas pagam R$ 600 por dispositivo anti-multa

Golpe da folha magnética permite encobrir caracteres da placa do veículo

Oportunidade em Guarulhos

Feira de empregos: prefeitura e institutos devem oferecer 200 vagas em evento

Para participar dos processos seletivos é necessário levar um documento de identificação original e o currículo atualizado

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter