X

DESAFIO PARA MACRON

Protestos contra reforma da previdência ganham escala na França

A reestruturação quer aumentar a idade mínima para a aposentadoria de 62 para 64 anos até 2030

FERNANDA MENA TOULOUSE - FOLHAPRESS

Publicado em 31/01/2023 às 16:30

Atualizado em 31/01/2023 às 16:38

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Protestos anteriores contaram com 1,1 milhão de manifestantes / Reprodução/Twitter HadjievNick

A segunda chamada de protestos contra a reforma da Previdência do presidente da França, Emanuel Macron, lotou as ruas das principais cidades francesas. Os atos reúnem estudantes, trabalhadores, sindicalistas e feministas nesta terça-feira (31), depois de pesquisas apontarem que pelo menos 61% da população rejeita a proposta do governo. 

Anunciada no último dia 10 pela primeira-ministra Elisabeth Borne, a reestruturação quer aumentar a idade mínima para a aposentadoria de 62 para 64 anos até 2030 e prolongar os anos de contribuição de 42 para 43 anos já em 2027 como condição de acesso à pensão integral. 

A junta intersindical, que reúne pela primeira vez em 12 anos as oito maiores centrais de sindicatos da França, afirmou ter reunido 500 mil pessoas em Paris –100 mil pessoas a mais do que na primeira greve geral de sua campanha contra a reforma, ocorrida no último dia 19. 

O grupo diz ter mapeado protestos em 250 cidades do país, num aumento de 25% em comparação ao primeiro capítulo da campanha. Cidades como Marseille, Lyon, Toulouse e Nantes também foram palco de manifestações maiores, segundo os sindicatos. 

A escalada na mobilização parece corresponder à subida de tom do governo. Borne declarou no domingo (29) à Franceinfo que a nova idade mínima para aposentadorias "não é mais negociável". 

O ministro do Interior Gérald Darmanin acusou a Nupes (Nova União Popular Ecológica e Social), coalizão de partidos de esquerda, de "transformar o país em um bordel". Ele também denunciou o que chamou de "profundo desprezo pelo valor do trabalho" de uma parte da esquerda francesa. 

Isso porque, na segunda-feira (30), a Assembleia Nacional deu início aos debates sobre a reforma. Foi o primeiro passo para examinar cerca de 5.000 emendas ao projeto admitidas entre as mais de 7.000 apresentadas pela Nupes. 

A engenheira Marie Odile Marche, 53, é uma das manifestantes que aderiu ao movimento neste segundo ato. "Eu vi uma pesquisa da Oxfam que aponta que a cobrança de 2% a mais de impostos sobre aqueles com a maiores salários geraria recursos suficientes para sustentar a Previdência como ela é hoje", afirma. "E eu estou disposta a pagar mais impostos para termos um país mais igualitário." 

O estudante Isha Nazir, 18, também estreou seus cabelos pintados de verde em protestos sobre aposentadoria nesta terça. "Não acho que esse sistema seja saudável para ninguém. E se já fica ruim para quem trabalha hoje, imagina como será quando eu for me aposentar?", pondera. "Não sei se o movimento vai triunfar, mas tenho a impressão de que estamos num ponto de virada. Tem muita gente nas ruas." 

O sindicato dos professores da França anunciou que houve paralisação de 50% dos docentes, mas, de acordo com o Ministério da Educação, o percentual não passou de 26%. Durante a manhã, em Paris, piquetes geraram empurrões entre manifestantes e professores na porta de escolas, e a polícia interveio. 

Na rede de trens, houve atrasos por conta da adesão de trabalhadores à greve, que teve forte participação dos setores de energia e petróleo.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CRIME DE TRÂNSITO

Motoristas pagam R$ 600 por dispositivo anti-multa

Golpe da folha magnética permite encobrir caracteres da placa do veículo

Oportunidade em Guarulhos

Feira de empregos: prefeitura e institutos devem oferecer 200 vagas em evento

Para participar dos processos seletivos é necessário levar um documento de identificação original e o currículo atualizado

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter